19 out 2021 - 16h59

TSE julga Francischini por fake news sobre urnas eletrônicas durante eleições

Julgamento de Fernando Francischini (PSL) pode servir de referência para casos semelhantes e deputado pode ter o mandato cassado

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) devem julgar, nesta terça-feira (19), o caso do deputado estadual do Paraná Fernando Francischini (PSL), acusado de divulgar notícias falsas sobre as urnas eletrônicas nas eleições de 2018, por meio das redes sociais. Se condenado, o parlamentar pode ter o mandato cassado. 

Esta é a primeira vez que o TSE analisa um caso de propagação de fake news em eleições. O julgamento de Francischini pode criar jurisprudência sobre outros episódios de propagação de desinformação durante processos eleitorais. Isso significa que a decisão da Justiça Eleitoral neste julgamento pode ter reflexo em outros casos similares.

No dia da votação em primeiro turno de 2018, o parlamentar paranaense fez uma live no Facebook alegando que as urnas eletrônicas estavam fraudadas, impedindo a computação dos votos para Jair Bolsonaro. Francischini foi o deputado mais votado no Paraná em 2018, totalizando mais de 400 mil votos.

Após o episódio, o Ministério Público Eleitoral (MPE) moveu uma ação pedindo a cassação do mandato e a inelegibilidade de Francischini por oito anos. A denúncia, no entanto, foi julgada improcedente pela Justiça Eleitoral do Paraná, que entendeu não haver provas de que a live do deputado tenha influenciado no resultado do pleito. O MPE então recorreu da decisão junto ao TSE.

No julgamento desta terça, a Justiça Eleitoral deve determinar se as redes sociais podem ser consideradas, nestes casos, como meios de comunicação de massa (jornais, rádios e televisão, por exemplo). Isso porque, existem restrições quanto à divulgação de conteúdos eleitorais durante o processo de votação para os veículos de comunicação tradicionais.

Na sua defesa, Francischini disse que, além de não ter se colocado na posição de candidato, a live não teria influenciado no resultado da eleição. O deputado também se escorou nos princípios da liberdade de expressão e imunidade parlamentar, afirmando ter a intenção de alertar os eleitores sobre possíveis irregularidades no processo eleitoral.

A sessão plenária jurisdicional desta terça está marcada para às 19h e pode ser acessada pelo canal do TSE no Youtube. O vídeo ficará disponível na página para consulta após o encerramento da sessão.

Reportagem sob orientação de João Frey, com informações do TSE

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “TSE julga Francischini por fake news sobre urnas eletrônicas durante eleições

  1. Em meios a tantas disfunção distintas pessoas se acham infelizmente acima da lei , se as urnas não foram fraudadas , como o deputado teve 400 mil com tamanha rejeição em Curitiba.

  2. Esse é o pensamento e as atitudes retrógradas dessa massa obscura da sociedade….Tamanho escárnio e nojo desse tipo de gente mentirosa….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Convescote

Neste episódio os textos e ideias prazerosas de Otto Leopoldo Winck, William Cruzoé Teca, Guilherme Zarvos, Sergio Viralobos, Edilson Del Grossi, Gabriele Gomes, Bernardo Pellegrini, Amarildo Anzolin, Francisco Cardoso de Araujo, Marielle Loyola, Flavio Jacobsen, Maurício Popija, Adriano Samniotto, Leonard Cohen, Wally Salomão, Natalia Barros, Trin London, Daniel Quaranta, Marcelo Brum-Lemos, Michel Melamed, Julio Cortazar, Mauricio Pereira, entre outros não menos alvissareiros.

Redação Plural.jor.br