Ratinho Jr diz ao STF que PR vive situação distópica e isolamento é imprescindível | Jornal Plural
8 jun 2021 - 15h18

Ratinho Jr diz ao STF que PR vive situação distópica e isolamento é imprescindível

Documento do governo do Paraná é reposta à tentativa de Bolsonaro de derrubar os decretos estaduais que impõem medidas de isolamento

O governo do Paraná respondeu à tentativa do presidente Jair Bolsonaro de suspender decretos estaduais que imponham medidas de isolamento social. Em diversos trechos do documento assinado pelo governador Ratinho Jr (PSD), o governo deixa claro que a situação da pandemia no Paraná é grave e, sem vacina, o estado não pode abrir mão de medidas de isolamento. O tema está em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF).

No documento, o governo defende seu direito de editar os decretos e diz que “parece ser incorreta” a argumentação de Bolsonaro “de que os decretos que impuseram medidas restritivas estejam desprovidos de fundamentação legal”.

Para rebater a tese do presidente de que os decretos ferem direitos fundamentais como a liberdade de locomoção e a livre iniciativa, o governo do Paraná argumenta que eles se justificam, já que vivemos um “fato extraordinário e de “proporções incomensuráveis”.

“O grau de contagiosidade e a sua crescente letalidade conduziram a um cenário verdadeiramente distópico, em que hospitais e unidades de terapia intensiva (UTIs) ficaram lotados, em que pessoas, das idades mais diversas, foram rapidamente a óbito e em que os sistemas de saúde viram-se pressionados em um nível alarmante”, diz trecho da resposta que também é subscrita pela procuradora-geral do estado, Letícia Ferreira da Silva, e pelo procurador Ramon Ouais Santos.

Em determinados momentos, o documento do governo estadual rebate de modo didático as teses bolsonaristas sobre a pandemia.

“É bastante simples compreender a medida: a restrição de circulação de pessoas diminui significativamente a presença de pessoas nas ruas, evitando aglomerações, festas clandestinas e até acidentes não correlatos com a COVID-19, mas que, igualmente, concorrem para a escassez de leitos e de vagas nos hospitais”.

Ao concluir, o governador ainda diz que o abandono de medidas de isolamento só será possível com a evolução da vacinação.

“Por fim, mesmo reconhecendo o esforço do Governo Federal para acelerar o programa de vacinação, é fato que ainda não se vislumbra o momento em que a maior parte da população paranaense estará vacinada. Nesse sentido, respeitosamente se entende que, apesar dos números apresentados na petição inicial, o estágio de vacinação atual não permite o abandono das medidas restritivas”.

Ratinho Jr tem sido um dos mais fieis aliados de Bolsonaro entre os governadores. Não subscreveu cartas que cobravam ações do presidente e não questionou publicamente o modo como o governo federal lida com a pandemia. Este documento enviado pelo governo ao STF é, portanto, a primeira manifestação pública de discordância entre o governador e o presidente.

Veja a íntegra da resposta

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias