Ao sair da prisão, Lula se dirige primeiro à militância | Plural
8 nov 2019 - 19h32

Ao sair da prisão, Lula se dirige primeiro à militância

Em seu primeiro discurso, ex-presidente faz agradecimentos, além de provocações à Lava Jato e ao governo atual

“Todo santo dia, vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir”, declara o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) em seu primeiro discurso ao sair da superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, na tarde desta sexta-feira (8). Solto, Lula agradeceu nominalmente algumas figuras atuantes durante sua prisão, e – em especial – à Vigília Lula Livre, que manteve, todos os dias, o ritual de dar “bom dia”, “boa tarde” e “boa noite” ao ex-presidente.

Lula durante discurso após saída da superintendência da PF, em Curitiba. Foto: Mauren Luc

Sob aplausos, gritos animados e emocionados, e fogos de artifício Lula passou diversos minutos agradecendo nominalmente boa parte de sua equipe – de políticos a figuras de sua vida pessoal – que o apoiaram. Ao cumprimentar Haddad, Lula alegou que o candidato foi quase presidente, mas que foi “roubado”.

Bem humorado, Lula fez brincadeiras: “Vocês sabem que eu consegui a proeza de, preso, arranjar uma namorada”, brincou enquanto apresentava a socióloga Rosângela da Silva. O ex-presidente fez, ainda, provocações a diversas falas e ações do atual presidente, Jair Bolsonaro.

Lula e Rosângela da Silva, durante discurso após soltura. Foto: Giorgia Prates

As críticas não se limitaram ao governo, mas se aplicaram também à Lava Jato. “Quero dizer em alto e bom som, vou deixar para fazer um discurso para a nação depois, o lado mentiroso da Polícia Federal fez inquérito contra mim”, pontuou. “Eles não prenderam um homem, eles tentaram matar uma ideia”, criticou ao citar Moro, Dallagnol, delegados dos inquéritos e a Rede Globo. O ex-presidente também retomou sua trajetória pessoal, falando de sua mãe e saldando sua própria história de superação.

Durante o discurso, Lula reforçou que seguirá para São Paulo – aonde terá uma reunião amanhã (9), no Sindicato dos Metalúrgicos, a partir das 12h. A partir de lá, o ex-presidente deve continuar sua caminhada política.

O discurso foi finalizado com mais agradecimentos à Vigília, presente durante toda o encarceramento do ex-presidente. “Não tenho como pagar vocês, a não ser dizer que serei eternamente grato a vocês e fiel a luta de vocês”, disse.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Assuntos:

Últimas Notícias