5 maio 2022 - 10h30

Cabo de celular feito de fibra de maconha projeta empresa de Curitiba no mercado sustentável

Modelo Hemp foi lançado em abril pela Händz e surpreendeu ao contornar estigmas

Há registros milenares de seu uso por comunidades ao redor do mundo e foi uma das principais matérias-primas de velas e cordas das caravelas que chegaram às Américas no século XVI. Agora, depois do ostracismo forçado pela guerra travada contra as drogas, o cânhamo, uma das três frentes da indústria da cannabis, volta a chamar atenção das empresas atentas aos apelos por políticas mais sustentáveis.

Foi justamente a tentativa de atrair um nicho de consumidores mais engajados que fez uma empresa de Curitiba estudar e projetar o uso da fibra da maconha na confecção de cabo de celular. Em abril, a Händz, especializada em produtos para dispositivos móveis, lançou o produto no mercado e tem visto crescimento diário na procura, uma surpresa para quem esperava resistência por causa do estigma associado à origem do material.

“Cânhamo não tem princípio psicoativo, então, por mais que você pegue duzentos cabos e queira fazer alguma coisa fora da finalidade que é carregar celular, não vai dar certo”, brinca o idealizador da proposta, o curitibano Rodrigo Lacerda.

Embora também extraído da cannabis sativa, o cânhamo não contém THC, o componente alucinógeno da planta presente na maconha. Mesmo assim, seu cultivo ainda é proibido em diversos países, inclusive no Brasil. O novo apego da indústria ao produto impulsionou a China a se tonar polo do subproduto, e é de lá, de um projeto particular, que vêm os cabos hoje oferecidos pela Händz.

As cepas que resultam nas fibras são de forte resistência e, segundo a Associação Latino-Americana de Cânhamo Industrial (LAIHA, sigla em inglês), a produção da matéria-prima está associada a debates valiosos ao tema da sustentabilidade, como redução na emissão de dióxido de carbono, melhora nas condições do trabalho no campo e erradicação das plantações ilícitas. Daí o valor recuperado pela indústria.

Em 2017, uma das principais marcas internacionais de jeans, a Levi’s, anunciou uma linha de roupas sustentáveis feitas com fibra de cânhamo, mesmo material que já tinha popularizado um modelo de tênis da alemã Adidas na década de 1990, o Hemp.

Hemp, aliás, foi o nome escolhido pela marca de Curitiba para batizar seu novo produto, que, além da fibra da maconha leva também fibra de trigo na composição. O acessório é vendido em três modelos diferentes – o lightning pra USB e Type C, típicos do sistema operacional da Apple, e Type C pra USB, uso geral dos Androids – e carrega mais uma das apostas da empresa para atingir um público ao mesmo tempo exigente e mais consciente.

“A ideia da sempre foi trazer produtos para dia a dia, mais voltados par a tecnologia, como celular, carregamento, cabos, mas sempre com uma qualidade superior à do mercado e também tirando um pouco dessa característica de commodite do produto. E isso segue os três pilares da empresa, que é o design, a garantia e a característica de ser o mais sustentável possível.”

Rodrigo Lacerda.
Acessório é vendido em três modelos diferentes – o lightning pra USB e Type C, típicos do sistema operacional da Apple, e Type C pra USB, uso geral dos Androids. Foto: Händz/ Divulgação

Apesar do receio com possíveis repercussões negativas atreladas ao negócio, o empresário diz estar surpreso com a resposta dada pelo público até agora.

“A gente pegou públicos que não atingia antes, de pessoas engajadas com a parte sustentável, com a causa da cannabis, que entendem que o nosso produto tem uma garantia e uma qualidade embutida muito superior ao plástico”, diz Lacerda. “Começamos focando em um público, mas acabou agregando tanto que hoje é bem abrangente”.

Os preços dos modelos Hemp variam de R$ 64 a R$ 159 no site da empresa, que já vinha focando em insumos alternativos, como cortiça e bambu, para a produção de carregadores e caixas de som wireless. O sucesso mais recente da marca deve impulsionar outros projetos daqui para frente, como projetos de power banks solares e produtos à base de garrafas pet.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Um comentário sobre “Cabo de celular feito de fibra de maconha projeta empresa de Curitiba no mercado sustentável

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Bolsonaro não concluiu 84% das obras da transposição do Rio São Francisco, como alega vídeo

É enganosa a afirmação de que Jair Bolsonaro (PL) entregou 84% das obras da Transposição do rio São Francisco. Apesar do presidente ter retomado 222 km que haviam sido retirados do projeto original por administração anterior, a execução da obra atravessou outras três gestões federais que, juntas, entregaram mais de 90% da infraestrutura do empreendimento, considerando a extensão inicial – de 477 km

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds