Racismo retratado na série “Watchmen” não é ficcional | Jornal Plural
6 ago 2020 - 19h17

Racismo retratado na série “Watchmen” não é ficcional

Produção da HBO tem um recorde de 26 indicações ao Prêmio Emmy, o Oscar da televisão americana

Baseado na história em quadrinhos homônima, “Watchmen” é um seriado ambientado em uma realidade paralela, no ano de 2019, e acompanha Angela Abar (Regina King), uma detetive de polícia na cidade de Tulsa, nos EUA.

Depois de serem brutalizados e mortos durante um ataque orquestrado por um grupo supremacista branco intitulado Sétima Cavalaria, os policiais da cidade usam máscaras para esconder suas identidades. Angela, sobrevivente do evento, é conhecida como Sister Night, e utiliza uma fantasia de freira.

Uma noite, Angela recebe uma ligação que a leva a um local remoto, onde ela faz uma terrível descoberta: o corpo do chefe de polícia enforcado e, ao lado dele, um senhor negro em uma cadeira de rodas, afirmando ser o assassino. Para desvendar o mistério e impedir uma nova ofensiva da Sétima Cavalaria, a detetive precisa desenterrar segredos passados e presentes, e se reconectar com seus ancestrais.

Wall Street Negra

“Watchmen” traz à atenção do grande público o massacre da Wall Street Negra em 1921, quando os moradores brancos do distrito de Greenwood, em Tulsa, se voltaram contra os moradores negros. Conhecida como Wall Street Negra devido à prosperidade dos comerciantes e banqueiros negros da região, Greenwood foi palco de uma das piores chacinas raciais da história dos EUA.

Uma comissão instaurada em 2001 estimou que o número de mortos no incidente pode chegar a 300 pessoas. Centenas de cidadãos negros perderam suas casas, negócios e vidas.

No seriado, a história se repete. Anos depois, o presidente dos EUA instituiu uma organização para preservar a memória do incidente e compensar os descendentes dos mortos e/ou prejudicados pelo massacre.

Tal tentativa de reparação histórica não é vista com bons olhos pela comunidade branca, que se ressente do que acredita ser “opressão” direcionada a ela. A tensão racial na Tulsa fictícia é grande, alimentada por uma polícia mascarada que não deve explicações a ninguém.

Racismo

Infelizmente, o racismo retratado em “Watchmen” não é ficcional. Ele pode ser visto ao ligar a TV no noticiário, quando “bons cidadãos” brancos marcham em formações similares àquelas usadas pela Ku Klux Klan. Quando homens negros são sentenciados à morte por policiais, seja nas ruas dos EUA, ou nas brasileiras. Alvejados no caminho para o trabalho, sufocados à submissão, desaparecidos no retorno da escola.

Mas não é apenas o racismo que “Watchmen” se dedica a analisar. A violência promovida e sofrida por policiais também é pauta, bem como o conflito pessoal vivenciado por mulheres e homens negros que escolhem vestir uma farda. Como defender uma Lei que não existe para proteger você?

“Watchmen” trata ainda da necessidade de preservação da memória e de reparação de injustiças para a sociedade, e da importância de representações positivas de minorias na mídia mainstream. Trauma e suas consequências também são retratados na série.

Com uma única temporada de nove episódios, “Watchmen” não requer conhecimento prévio da história em quadrinhos ou do filme de 2009 para ser apreciado. Personagens como Doutor Manhattan, Adrian Veidt e Silk Spectre são citados ou fazem aparições, o que pode se revelar um divertido aditivo para os fãs da história original.

Emmy 2020

“Watchmen” lidera as indicações ao Emmy 2020 com 26 nomeações, incluindo Melhor Atriz em Série Limitada para Regina King, Melhor Ator em Série Limitada para Jeremy Irons, Melhor Ator Coadjuvante em Série Limitada para Yahya Abdul-Mateen e Jovan Adepo, Melhor Atriz Coadjuvante em Série Limitada para Jean Smart, Melhor Série Limitada, Melhor Roteiro em Série Limitada para o episódio “This Extraordinary Being”, três episódios na categoria de Melhor Direção em Série Limitada, além de indicações em categorias técnicas como efeitos visuais, figurino, sequência de abertura, entre outras.

A premiação teve um número recorde de atores negros indicados, demonstrando que, similarmente às obras nomeadas, o Emmy começa a reconhecer as pressões sociais por uma maior presença de minorias. Resta observar se, no dia da premiação (prevista para 20 de setembro), essa presença será traduzida em reconhecimento.

Série

“Watchmen” está disponível na HBO Go.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias