Proibição de menores no Psicodália causa polêmica | Jornal Plural
24 jan 2019 - 0h00

Proibição de menores no Psicodália causa polêmica

Juíza determina que menores não podem entrar em festival nem mesmo acompanhados, e causa revolta de frequentadores da atração, que acontece há 18 anos sem ocorrências graves.

Pela primeira vez em 18 anos do festival multicultural Psicodália, que acontece entre 1º e 6 de março, em Rio Negrinho (SC), a 120 km de Curitiba, menores de idade não poderão entrar no evento nem mesmo acompanhados. A juíza de direito da Vara da Infância e da Juventude da cidade de Rio Negrinho, Fabrícia Alcantara Mondin, publicou no dia 25 de outubro do ano passado a portaria 91/2018, decretando a proibição.

“Fica proibida, na comarca de Rio Negrinho, a entrada e a permanência de crianças e adolescentes em casas de diversão, danceterias, promoções dançantes, festas pagas e congêneres, sob pena de responsabilização administrativa, civil e criminal dos proprietários dos estabelecimentos comerciais e organizadores do evento, de acordo com as disposições da legislação vigente”, resolve o ofício.

Devido aos moldes do festival (shows ininterruptos, bares funcionando 24 horas, dentre outras características) a entrada de menores de idade é vetada com base, também, no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Segundo a assessoria de imprensa do Psicodália, em 22 edições nunca houve nenhuma ocorrência grave. O local é visto como seguro, além de contar com uma variedade de oficinas e espaços de convivência múltiplos que a Fazenda Evaristo – local do evento – proporciona para as crianças e adolescentes.

A decisão causa polêmica nos grupos de WhatsApp por tirar do festival uma característica central. Visto como um evento para todas as idades, “acolhedor”, o Psicodália também prevê perda significativa de renda, pois muitas famílias estão deixando de ir sem ter como levar os filhos.

Hermeto Pascoal: músico é uma das atrações do festival em 2019. Foto: Divulgação.

O ator curitibano Gabriel levaria sua irmã Giovanna de 12 anos de idade pela primeira vez ao Psicodália. Segundo ele, que participou várias vezes, a presença das crianças era muito importante para o convívio e porque elas têm a oportunidade de conhecer pessoas de vários lugares do país. “Acho que a criança tem muito que aprender lá, em todos os eventos, e no convívio com tanta gente diferente. Se o medo é a vivência de coisas que devem ser apenas pra gente mais velha, eu considero esse medo contraproducente. É uma oportunidade pra quebrar tabus”, pondera.

Ele também opina que a proibição só impede crianças de aprenderem e demonstrarem afeto. “Ela vai sair perdendo em ser privada de divertimento e educação. O que é proibido, inclusive, gera curiosidade”, aponta.

O Psicodália é um dos maiores festivais multiculturais do país. Lá, mais de seis mil pessoas passam cinco dias acampando e participando de oficinas e shows. Nesta edição, algumas das principais atrações são Tom Zé, Elza Soares, Jorge Mautner, Letrux, Hermeto Pascoal e Dona Onete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias