Motivos para ir (ou não) a um cinema drive-in em Curitiba | Jornal Plural
8 jun 2020 - 9h42

Motivos para ir (ou não) a um cinema drive-in em Curitiba

Na pandemia, a alternativa é bem-vinda e segura, mas você precisa ajustar suas expectativas

Uma casa de espetáculos que teve de fechar as portas por causa da pandemia se transformou em um cinema drive-in, em Curitiba. A tela enorme ocupa a lateral do prédio do Live Curitiba (antigo Master Hall), que agora faz as vezes de suporte para a projeção. O som é transmitido por uma frequência específica no rádio do carro.

Só o estacionamento mantém sua função original, agora com menos veículos que devem guardar distância uns dos outros. Os maiores ficam atrás e os menores, mais à frente. Ninguém deve sair do carro e a orientação é ficar de máscara e com as janelas fechadas.

(Para quem vai com crianças, a tarefa de mantê-las de máscara é próxima do impossível. De qualquer forma, é prudente e educado que se coloque a máscara caso seja atendido por alguém do local ou se for necessário ir ao banheiro, num prédio à direita da tela).

Com a proposta de oferecer entretenimento responsável e seguro, atendentes simpáticas aparecem mascaradas, com luvas e face shield (aqueles visores transparentes que cobrem o rosto inteiro). Elas vendem pipoca, doces e bebidas. Quem quer comprar alguma coisa, liga o pisca-alerta. É proibido buzinar.

O cardápio é entregue na entrada – onde é possível já fazer, e receber, um primeiro pedido de guloseimas – com opções de chocolates, balas, refrigerantes, água e até cerveja. Não são muitas opções, a pipoca não é particularmente boa e os preços seguem a tradição cinematográfica de serem descolados da realidade.

Sensação de cinema

O Live Curitiba (antigo Master Hall) virou um cinema drive-in.

O Plural foi a uma sessão do Somos Mais Curitiba (existe também a opção do drive-in Família Madalosso). No domingo (7), às 14 horas, estava em cartaz a animação “Kung Fu Panda II”, de 2011. A projeção começou com algumas propagandas, mas não teve trailers.

Mesmo de dia, com céu claro e sol, a imagem da projeção é nítida. A qualidade do som depende do equipamento do carro. Com certeza, a projeção (e a sensação de se estar num cinema) deve ser melhor à noite. Talvez isso explique por que, em pleno domingo, havia pouquíssimo público.

Não é possível enxergar muito bem as pessoas nos outros carros. Se o plano é ver gente, melhor ficar em casa. O ideal é afastar os bancos dianteiros e se acomodar. (Não dá para ver gente, mas dá para ver muitos pés nos painéis). Dependendo do modelo do veículo, pode ser difícil assistir ao filme sentado no banco de trás.

Expectativas

Apesar da novidade (e da opção de finalmente poder sair de casa com as crianças), o cinema drive-in é um lembrete do que sentimos falta. É um cinema com som, ambiente e acervo mais limitados. Mas, ainda assim, uma alternativa bem-vinda no contexto atual.

A sessão é, de fato, segura. É possível chegar e sair sem sair do banco do carro e sem contato com (quase) ninguém.

Os filmes poderiam ser melhores e a pipoca, mais gostosa. Ou talvez seja o caso de baixar as expectativas.

Serviço

Somos Mais Curitiba – Novo Mundo
Ingressos a R$ 70 por veículo (aceita até 3 adultos ou 2 adultos e duas crianças por carro).

Drive-in Família Madalosso – Santa Felicidade
Ingressos já esgotados para as sessões disponíveis.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. São as assinaturas que nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias