Morre Fernandão, criador de jornais e dicionários | Jornal Plural
15 abr 2021 - 19h43

Morre Fernandão, criador de jornais e dicionários

Jornalista foi um dos criadores do Lira Paulistana

Fernando Alexandre Guimarães Silva, o “Fernandão”, jornalista, dicionarista, poeta, agitador cultural, faleceu no último dia 7 em Florianópolis, por falência múltipla de órgãos. Nascido em Maceió, em 1950, em plena ditadura militar, foi para Curitiba estudar Jornalismo na Universidade Federal do Paraná. Passou frio, trabalhou em vários jornais simultaneamente, graduou-se em 1972 e mudou-se para Florianópolis. Na ilha, onde morou até 1974, trabalhou no jornal O Estado. Depois, passou uma temporada em Belém e decidiu mudar-se para São Paulo.

Foi, por dois anos e meio, editor da Gazeta de Pinheiros. Um dos criadores do Lira Paulistana (1979-1986), que funcionava como casa de shows, cinema, teatro, jornal, editora e gravadora. Em 1981 criou o Jornal do Lira, um dos primeiros guias de cultura e lazer do Brasil. O Lira Paulistana virou um dos principais espaços culturais alternativos de São Paulo. Pelo selo da gravadora do Lira saíram os dois primeiros discos de Itamar Assumpção, de Cida Moreira, grupos como Rumo, Língua de Trapo, Premeditando o Breque, Patife Band, entre outros.  

Na metade dos anos 80 voltou a viver em Curitiba, onde foi assessor de imprensa da Fundação Cultural. Boêmio, “de esquerda mas sem ser engajado”, fez muitos amigos na cidade. Trabalhou na TV Iguaçu, em O Diário do ParanáO Estado do ParanáIndústria e Comércio, sucursais da Veja e da Folha de Londrina. Autor de um dicionário famoso, Dicionário da ilhafalar & falares da Ilha de Santa Catarina, seguido pelo Dicionário do surf – a língua das ondas. Em sua última edição, de 2017, o Dicionário da Ilha já contava com 3.732 verbetes, tendo vendido 57 mil exemplares desde sua primeira edição.

Ativo nas redes sociais, sobretudo no Facebook. Organizava um livro de poemas. Faleceu no último dia 7, Dia do Jornalista, de falência múltipla de órgãos. Suas cinzas foram jogadas ao mar por dois amigos pescadores em uma bela cerimônia, no último dia 10, em Florianópolis. Seu blog Tainha na Rede pode ser acessado aqui: https://tainhanarede.blogspot.com/. Deixa uma filha, Tupá Guerra.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

3 comentários sobre “Morre Fernandão, criador de jornais e dicionários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias