7 filmes para aproveitar os últimos 7 dias do Festival Varilux de Cinema Francês | Jornal Plural
Clube Kotter
21 ago 2020 - 9h00

7 filmes para aproveitar os últimos 7 dias do Festival Varilux de Cinema Francês

Mostra on-line e gratuita termina na próxima quinta-feira (27); seleção de produções franceses teve quase meio milhão de visualizações

Esta é a última semana para ver de graça os filmes do Festival Varilux de Cinema Francês. Quando a mostra começou, quatro meses atrás, ninguém imaginava que a pandemia pudesse durar tanto. Agora, está claro que ela vai durar mais.

Para compensar as salas de cinemas fechadas, vários distribuidores se uniram para fazer uma versão on-line e gratuita do Festival Varilux e, de acordo com a assessoria do evento, em pouco mais de cem dias, a seleção de 50 filmes teve quase meio milhão de acessos.

O Varilux termina na próxima quinta-feira (27) e, na sexta (28), começa a 8 1/2 Festa do Cinema Italiano, com 20 filmes da terra de Federico Fellini, também em exibição on-line e gratuita (mais informações em breve).

A seguir, confira algumas sugestões da equipe do Plural para aproveitar o fim de semana de frio e chuva vendo um filme francês. Todas as sugestões estão em cartaz no Festival Varilux e podem ser acessadas no aplicativo Looke ou na página da web.

1. “Respire”

Mélanie Laurent é mais conhecida como atriz. Ela faz Shoshanna, a judia que escapa do coronel Hans Landa e acaba se tornando dona do cinema onde ocorre o desfecho da história. Em “Respire”, Laurent trabalha atrás das câmeras, como roteirista e diretora.

O filme acompanha a amizade de duas garotas, Charlène e Sarah, prestes a fazer 18 anos e concluir o ensino médio. A primeira é discreta e estudiosa. A segunda é mais festeira e espalhafatosa. A relação começa bem, mas as diferenças vão se impondo até se tornarem insuportáveis. Joséphine Japy, no papel de Charlène (que todos chamam de Charlie), tem um desempenho extraordinário. E o fim é acachapante.

Numa comparação mal ajambrada, Mélanie Laurent pode ser considerada uma Sofia Coppola do cinema francês: jovem, ousada e com talento para retratar jovens e para contar histórias difíceis ou inusitadas.

Com uma diferença importante: Laurent é também boa atriz.

2. “Cyrano, mon amour”

Talvez o melhor filme de toda a seleção do Festival Varilux. É uma proeza porque se trata da estreia do diretor Alexis Michalik e o ator principal, Thomas Solivérès, era um desconhecido à época.

A história conta os bastidores da criação de um clássico do teatro francês, “Cyrano de Bergerac”, escrito por Edmond Rostand (1868-1918), em 1897. A história teve uma adaptação famosa nos anos 1990, com Gérard Depardieu no papel do narigudo e feio Cyrano, que fornece as palavras lindas para o bonitão e tapado Christian conquistar o coração de Roxane.

O filme de Michalik brinca com o fato de que o Rostand não fazia ideia do que escrever e foi improvisando a história a partir das informações que aparecem ao redor dele.

“Cyrano” (o título original faz mais sentido e é “Edmond”) consegue demonstrar um bom gosto tremendo para fazer humor com uma produção de época que os franceses fazem melhor que ninguém. Sim, melhor até que o cinema americano, porque parece que soa mais natural para os franceses.

3. “O professor substituto”

Um suspense inusitado sobre um homem que assume uma turma de estudantes especiais porque seu antecessor está em coma no hospital – um dia, sem nenhum motivo óbvio, o professor pulou da janela da sala de aula, durante uma prova. Leia a resenha completa.

4. “O poder de Diane”

Diane é uma mulher independente, do tipo que não se importa muito com a opinião alheia. Não fica exatamente claro, mas talvez seja isso que a faz aceitar ser a barriga de aluguel para um casal gay de amigos. Em “O poder de Diane”, acompanhamos todo o percurso e os percalços dessa gravidez: dos primeiros meses, quando a protagonista encontra Fabrizio, até o nascimento da criança. Leia a resenha completa.

5. “Um instante de amor”

No longa, dirigido por Nicole Garcia, Marion Cotillard interpreta Gabrielle: uma estranha e bela mulher que lida de maneira muito peculiar com seus impulsos sexuais. Em meio a um casamento arranjado, com o pedreiro José, a protagonista sofre um aborto e vai tratar de problemas renais em uma clínica. Leia mais.

6. “O filho uruguaio”

Sylvie é uma francesa que teve o filho sequestrado pelo ex-marido. O menino vive há quatro anos no Uruguai, aos cuidados da família do ex. Quando finalmente encontra a criança, Sylvie elabora um plano para sequestrar o menino de volta e levá-lo para casa com o auxílio de um assistente social. Leia mais.

7. “Agnus Dei”

A invasão da Polônia pelo exército alemão marcou o início da Segunda Guerra Mundial. Ao fim do conflito, os poloneses também sofreram nas mãos dos soldados russos. “Agnus Dei” conta uma história real, vivida por freiras polonesas que foram estupradas por soldados invasores – muitas das quais acabaram grávidas. Leia mais.

Festival Varilux de Cinema Francês

O festival tem exibição on-line e gratuita até a próxima quinta-feira (27). Você pode ver os 50 filmes da mostra no aplicativo Looke, que tem uma sessão específica para o Varilux, ou por qualquer navegador da web.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

3 comentários sobre “7 filmes para aproveitar os últimos 7 dias do Festival Varilux de Cinema Francês

  1. Muito boas as indicações! Ontem aqui em casa demos muitas risadas com o “Edmond”. Ficou melhor ainda quando vimos os créditos no final do filme. Sensacional!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias