"Janela indiscreta", um poema de Rodrigo Garcia Lopes
3 out 2020 - 10h00

Janela indiscreta

Um poema sobre Curitiba, em 2020

Em algum lugar perto deste hotel

alguém desafina uma Aquarela Brasileira no saxofone.

Longe, a espinha das serras azuis.

Um avião decola de São José dos Pinhais

rumo a Londres ou Londrina,

cruza o céu cinza da cidade grande.

Velha araucária espremida

entre prédios espelhados.

Na TV, mais uma delação premiada.

Pessoas trabalhando ou nos celulares

em cada uma dessas janelas, abelhas.

Luzes se acendem, luzes se apagam.

A tarde cai fria e depressa.

Triste carne, triste Curitiba.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Janela indiscreta

  1. Poema perfeito para o dia de hoje, acho que saiu do forninho agorinha. Parabéns! Quem é de Curitiba conseguiu reproduzir em sons e imagens todos os versos…lindos, cinzas e entristecidos, mas a nossa cara!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias