7 jan 2021 - 15h38

Papo de Quarentena: Zé Manoel

Músico pernambucano fala sobre seu novo disco, “Do Meu Coração Nu”

Foi como um milagre. “Do Meu Coração Nu”, terceiro disco de estúdio de Zé Manoel, chegou no final de 2020, como que para alentar um país inteiro. O cantor, compositor e pianista pernambucano construiu uma espécie de crônica ancestral, e mesmo assim muito contemporânea, sobre os assuntos que nos perpassaram nestes últimos meses de desvario civilizatório: o racismo, a violência dirigida, o preconceito estabelecido, o não saber da nossa própria história.

No álbum, Zé, convidado deste Papo de Quarentena, contou com participações importantes, como a de Letieres Leite, de Kassin, de Alberto Continentino. Mas foram as mulheres negras as companheiras de sua glória redentora: a cantora baiana Luedji Luna, a poetisa pernambucana Bell Puã e a escritora, ativista e historiadora sergipana Beatriz Nascimento (1942-1995), esta postumamente, participam do disco – que está em diversas listas de melhores do ano, foi lançado no Japão e terá edição em vinil.

Na conversa informal da casa de sua mãe em Petrolina (PE), Zé Manoel fala sobre seus avós sanfoneiros. Sobre a empatia como antídoto ao ódio. Sobre o racismo em Curitiba. Sobre sua participação, como pianista, no próximo disco de Maria Bethânia. Sobre o que precisamos ouvir cada vez mais.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Lições sobre a “cura da Covid-19”

Supondo que o “estudo” tivesse sido conduzido com rigor científico, e que os números apresentados, para cada um dos grupos, fossem o retrato de uma retidão metodológica, certamente não poderíamos atestar, nem de longe, que as condutas bioéticas foram seguidas

Marcelo M. S. Lima

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br