fbpx
Cultura destaque

Lado B, um lugar: Livraria Barbante

A livraria divide um galpão reformado com a galeria Ponto de Fuga e o bar Ginger, e atende até meia-noite. Fotos: Theo Marques.
Escrito por Bia Moraes
Compartilhe

Um espaço mínimo comporta o máximo de qualidade em publicações independentes e caprichadas

Compartilhe

O mínimo é o máximo. No caso da Livraria Barbante, o espaço – minúsculo se comparado a uma Livraria Cultura, por exemplo – comporta poucos livros. Mas as edições, cuidadosamente arrumadas em prateleiras, são notáveis. 

Especializada em editoras independentes e livros autorais, inclusive infantis, a Barbante foi inaugurada há cinco meses. Desde então os sócios, Paola Marques e Alessandro Andreola, se surpreenderam com o resultado. 

Alessandro conta que, de imediato, deu para perceber que havia uma certa demanda reprimida por vários dos produtos oferecidos pela livraria. “Sabemos que muitos deles já podiam ser comprados pela Internet, mas como estamos falando de livros-objeto, com acabamentos e formatos especiais, a experiência tátil é importante. Eu sempre falo que a Barbante vende livros para ver com a mão”, complementa. 

Entrar na livraria é passar por um espaço que você pensa que pequeno – a entrada, pelo menos, é – mas se revela bem grande. 

Olhando para cima, se vê um pé-direito alto, com tubulação aparente, acima de uma parede com uma parte descascada, de tijolos aparentes. Tudo mostra que o local é um imenso galpão, reformado, na rua Saldanha Marinho. Logo adiante, sem nenhuma separação física, fica a galeria de arte Ponto de Fuga. E um pouco depois, uma cortina de veludo vermelho revela o Ginger, um bistrô e bar com clima de filme noir e drinques incríveis.

Isso também contribui para formar a clientela. Quem vai ao bar, ou à galeria, acaba conhecendo a livraria (e vice-versa). E, por menor que ela seja, atrai olhares. Quem vai passar batido por livros expostos com todo zelo? E quem não vai dar bola para livros que, realmente, dá vontade de pegar, folhear, manusear? Ainda por cima, a Barbante tem um horário digno de público alternativo: fica aberta do meio-dia à meia-noite, fechando aos domingos e segundas-feiras.

“Um espaço colaborativo faz a diferença para quem visita, e também permite que a gente crie ações conjuntas”, aponta Alessandro. No próximo dia 24 de março, o Ginger e a livraria vão fazer um evento chamado “Drinks e Livros”. Um cardápio especial foi bolado, com opções de livros para “harmonizar” com drinks da casa.

A livraria nasceu pela experiência de Alessandro e Paola com a Editora Barbante, fundada pelo casal em 2016 para editar um livro escrito por ele, “Música do Dia”. 

Até agora, sete títulos foram publicados. Como se trata de uma microeditora, ainda jovem, a capacidade de publicação é limitada. “Assim como em muitas outras editoras independentes, não temos um investidor ou algo assim, a coisa é meio na raça mesmo”, diz Alessandro.

Na foto, Alessandro e Paola, que são casados e sócios na Livraria Barbante.

Serviço:

Livraria Barbante

Endereço: Rua Saldanha Marinho, 1220 – Centro, Curitiba – PR

Horário: Terça à Sábado, das 14h00 à meia-noite.

Sobre o autor

Bia Moraes

Bia Moraes é jornalista desde 1990. Entre redações, assessorias de imprensa e incontáveis frilas, foi redatora, repórter, pauteira, colunista e editora, mas prefere ser conhecida como repórter fuçadora de lugares e pessoas.

Deixe seu comentário