fbpx

Justus tenta voto secreto na CCJ, mas amigos pedirão que ele desista

Compartilhe

Nelson Justus (DEM) ainda não se conformou com a derrota na disputa pela CCJ da Assembleia. Anda tentando as artimanhas mais improváveis do manual para tentar dar a volta por cima. Entre elas, está a ideia de promover uma eleição secreta, na tentativa de que os deputados comprometidos com Francischini (PSL) possam virar o voto em sigilo.

Justus acha que na verdade ganharia fácil a eleição, não fosse a intromissão de Ratinho Jr. (PSD). “Nunca ninguém tinha visto o governo interferir na eleição de uma comissão. Na Mesa, sim, mas em comissões nunca vi”, diz um deputado experiente.

Nesta quarta-feira, oito deputados apresentaram um documento se comprometendo a votar em Francischini, o que encerra o caso – a CCJ tem 13 votos, e um deles já é a anunciada abstenção de Tadeu Veneri (PT). Justus ficou só com o voto dele e mais três.

Na segunda-feira, o deputado receberá amigos que tentarão fazer com que ele desista. Ainda renitente, Justus receberá a proposta de comandar a comissão de orçamento, ou a de finanças, como prêmio de consolação. Mas ninguém ainda sabe como ele reagirá a isso.


Related Posts

Jantar no Madalosso não é igual a dar comida na favela, diz deputado

Compartilhe

CompartilheTodo político curitibano faz almoços e jantares no Madalosso durante a campanha. Para ser franco, todo político faz comilanças públicas lá também antes da campanha. Mas uma procuradora do Ministério Público Eleitoral levantou uma discussão interessante: isso deveria ou não ser considerado compra de votos.

Francischini e Leprevost fecham acordo para eleição da prefeitura

Francischini e Leprevost fecham acordo para eleição da prefeitura

Compartilhe

CompartilheDois dos principais pré-candidatos à prefeitura de Curitiba no ano que vem fecharam um acordo desde já. Fernando Francischini (PSL) e Ney Leprevost (PSD), ambos ligados ao grupo de Ratinho Jr. (PSD), decidiram que só um deles vai para a disputa.