20 abr 2022 - 16h45

Café no Rebouças homenageia personalidades de esquerda e fomenta os pequenos produtores

Manifesto Café, em Curitiba, reabriu com atendimento presencial após dois anos

O barista curitibano Rafael Suzuki, 36 anos, despeja água quente no coador de café. Espera o líquido descer pelo filtro de papel e, em seguida, serve a bebida numa canequinha com o rosto de Mao Tsé-Tung.

Atrás dele, o balcão é decorado com uma bandeira vermelha do MST (Movimento Sem Terra) e, no resto do local, imagens de ícones de esquerda como Chico Mendes, Marighella, Socrates, o cacique Raoni Metuktire e, claro, Che Guevara, enfeitam as paredes.

Nas mesas, adesivos com o rosto de Karl Marx com boca e nariz cobertos relembram que o uso de máscara ainda é recomendado no local. Como é óbvio, o nome da cafeteria faz referência ao Manifesto do Partido Comunista, escrito por Marx e Friedrich Engels, em 1848.

Rafael Suzuki, 36, sócio do Manifesto Café. Foto: Andrea Torrente/Plural.

“Somos um café socialista”, resume Suzuki, um dos cinco sócios da casa ao lado de Bruno Goy, Fernando de Liz, Fábio Meger e Guilherme Penteado. “A ideia é valorizar o produtor, a torra, o atendimento e os clientes por meio de nossas ideias políticas”, explica o barista.

Segundo ele, o ideal socialista se concretiza no dia a dia por meio do respeito aos insumos e ao trabalho seja dos baristas e dos produtores de café. A casa compra grãos apenas de agricultores familiares e cafeicultores das principais regiões do país: do Norte Pioneiro do Paraná à Bahia, passando por São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.

Ícones da esquerda e da revolução comunista decoram o local. Foto: Andrea Torrente/Plural.

“Não pechinchamos no preço, pagamos o que o produtor está pedindo e compramos só de produtores pequenos que, às vezes, produzem apenas oito ou dez sacas. Os maiores produtores são de porte médio, com 2 mil a 3 mil sacas”, explica o barista.

Os grãos são torrados no laboratório, que fica nos fundos da cafeteria, e de lá vão direto para a extração pelos mais diversos métodos: da tradicional máquina para espresso aos cafés preparados na prensa francesa, Hario V60 e Chemex.

Além dos cafés especiais, cardápio tem torradas e doces como cookies. Foto: Tami Taketani/Plural.

O café torrado, em grãos ou moído, também é comercializado sob a marca Flama e está disponível para ser levado para casa ou à venda no clube de assinatura: são dez planos a partir de R$ 48 ao mês com entrega para todo o Brasil.

Suzuki garante que os preços são mais acessíveis que em outras cafeterias da cidade que trabalham com o mesmo conceito de cafés especiais (categoria que engloba as bebidas que recebem pelo menos 80 pontos numa escala até 100, segundo a metodologia de avaliação sensorial da SCA, a Specialty Coffee Association).

Thaina, Rafael, Arick e Fernando: equipe do Manifesto. Foto: Tami Taketani/Plural.

O coado de 240 ml custa R$ 4,85. O espresso, que na verdade é um duplo ristretto, sai por R$ 6, valor que segundo Suzuki é cerca de 30% mais barato que em outras casas. Para acompanhar tem torradas de pão artesanal e outros quitutes como cookies e empadinhas.

O respeito ao meio ambiente também é uma marca da casa que instalou filtros na torrefação para evitar que fumaça e fuligem do café poluem o ar. Já o lixo orgânico é encaminhado para a horta urbana da Associação Casa da Videira, no bairro São Francisco.

Café funciona nesta portinha na Av. Silva Jardim. Foto: Tami Taketani/Plural.

A cafeteria inaugurou em janeiro de 2018, quando o país já estava polarizado politicamente. Mas de lá para cá, com a eleição de Jair Bolsonaro à presidência em novembro daquele ano, a distância só aumentou, avalia o empresário.

“Como estamos sempre de porta aberta, entram pessoas de todos os posicionamentos políticos. A maioria nos apoia, mas eventualmente tem um ou outro cliente que, quando se dá conta de onde está sofre o mesmo efeito do cordão de alho para os vampiros, vira as costas e sai. Outros só percebem depois de fazer o pedido, mas como aí é tarde demais, tomam o café e vão embora”, explica divertido o barista.

Apesar do posicionamento ideológico escancarado, a casa nunca sofreu ameaças a não ser alguns ataques esporádicos nas redes sociais.

Café é extraído pelos mais diversos métodos: do espresso ao coado. Foto: Andrea Torrente/Plural.

“Marx e Engels são nossas maiores referências. Todos dia tentamos colocar essas ideias dentro do negócio, mas é um desafio aplicar nossa ideologia no sistema capitalista”, reconhece Suzuki.

Após dois anos fechado por causa da pandemia da Covid-19, o Manifesto Café reabriu há pouco mais de um mês com atendimento presencial. Por ser pequeno e ter pouca ventilação, o espaço ficou fechado todo esse tempo para preservar a saúde de funcionários e clientes, mas agora uma minirreforma no local passou a a garantir uma melhor circulação do ar.

Serviço

Av. Silva Jardim, 837 – Rebouças, Curitiba – (41) 99919-1973. De segunda a sexta das 9h30 às 18h30; sábado das 10h às 16h30. Instagram: @manifestocafecwb.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Um comentário sobre “Café no Rebouças homenageia personalidades de esquerda e fomenta os pequenos produtores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds