ARNALDO CAMARGO DE FREITAS, DEMITIDO DA ITAIPU DEVIDO A SUA LUTA POR LIBERDADE

Compartilhe:

Arnaldo Camargo de Freitas, sempre foi um cidadão exemplar e devido as suas posições a favor da democratização do País, tornadas publicas na presidência do Diretório Acadêmico sete de Junho, da Facisa, hoje Unioeste e pronunciadas  durante seus mandatos de vereador e presidente da Câmara Acadêmico Municipal de santa Terezinha de Itaipu (PR), foi perseguido pelos órgaos de repressao da ditadura e exonerado da Itaipu Binacional.

Arnaldo foi admitido na Itaipu em 24 de março de 1975 e após ocupar o cargo de Laboratorista,  passou a Auxiliar Técnico da Diretoria de Coordenação. Em 15 de novembro de 1982 foi eleito pelo PMDB para o mandato de vereador em Santa Terezinha de Itaipu, figurando entre os mais votados. Em 18 de junho de 1984 foi eleito presidente do Diretório Acadêmico Sete de Junho (DASJ), da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, atual Unioeste.

Os militares detinham o comando da República e o general Figueiredo era o ditador de plantão. Na Itaipu imperava o partido da ditadura e os apaniguados do regime militar. Foi nesse contexto, que Arnaldo desenvolveu suas lutas contra o arbítrio e em defesa da redemocratização. Isso lhe custou o emprego. Em 12 de novembro de 1984, Arnaldo foi exonerado devido as suas posições políticas conforme documentos anexos.

Compartilhe:

Aluizio Palmar

Os documentos dos arquivos da ditadura devem ser vistos com o olho crítico da dúvida, pois foram escritos por pessoas treinadas para mentir, contrainformar, caluniar, prender, torturar e matar.
Espero que Documentos Revelados contribua para a compressão dos acontecimentos das décadas passadas, dos métodos de controle usados pelo Estado Policial e estimule os visitantes a ter um compromisso ativo com a democracia.
Documentos Revelados é resultado de anos de garimpagem em arquivos públicos e particulares, de caixas e pastas, repletas de mandados de prisão, informes,radiogramas, ofícios, dossiês,relatórios e outros tipos de documentos produzidos pela burocracia policial.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *