Top
DepoimentosMRTRepressão

CARTA DENUNCIA DE UMA MAE DESESPERADA, POR ESTAR SEU FILHO, MENOR DE IDADE, PRESO PELA DITADURA

Compartilhe:

Ivan Seixas, juntamente com seu pai e irmas, foi preso, ou melhor, capturado como ele costuma dizer pelas forcas da repressao da ditadura civil-militar.

Na carta em anexo, a mae de Ivan, Fanny Axeruld de Seixas, denuncia a prisao de seu filho, menor de idade, e seu confinamento em um estabelecimento destinado a pessoas com transtornos mentais.

Os pais de Ivan, Joaquim e Fanny, eram militantes de esquerda e se conheceram na sede do Partido Comunista, com o qual romperiam anos mais tarde. Desde os 10 anos de idade, Ivan fazia pequenas tarefas para ajudar a organização clandestina, como confeccionar panfletos e passar informações de casa em casa. “Eu falo uma coisa que pode parecer arrogante, mas eu não entrei na luta, eu nasci dentro dela”, afirmou.

Aos 15 anos, Ivan decidiu que entraria de cabeça no movimento, contrariando a vontade dos próprios pais, que ficavam preocupados com a segurança e com os estudos do filho. Pouco tempo depois, ele e o pai foram encontrados pela polícia e levados para o Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), na região do Paraíso, em São Paulo, onde hoje funciona o 36° Distrito Policial.

“Eu prefiro falar que a gente não foi preso. Que a gente foi capturado. Porque eu não reconheço autoridade legal nem moral da ditadura para prender. Eles capturavam. Todos nós fomos sequestrados em casa, na rua. Não existia essa figura que as pessoas criaram de porões da ditadura. Não tinha porão coisa nenhuma. Era tudo feito abertamente”, recorda.

Levados ao DOI-Codi, Ivan e Joaquim enfrentaram torturas durante dois dias, ele no pau-de-arara, o pai na chamada “cadeira do dragão” – espécie de cadeira elétrica com fios que eram conectados em diversas partes do corpo do torturado para dar choques. Os dois estavam separados apenas por uma fina divisória e conseguiam escutar um ao outro durante todo o processo. “O choque elétrico é uma coisa desestruturante. O choque não é uma coisa que doa. Mas como atinge o sistema nervoso central, você fica tão perdido, tão desconfortável, que você grita”, conta.

.

Compartilhe:

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *