Assessoria de Segurança e Informações da Itaipu investigou pessoa procurada por jornalista da revista IstoÉ

Compartilhe:

No dia 10 de março de 1980 houve uma tentativa de luta camponesa armada, na Colônia Acaray-mi, Departamento de Caaguazú, Paraguai, sob a liderança do Victoriano Centurión. O levante foi reprimido com violência extrema, cerca de 5.000 soldados e milicianos do general ditador Alfredo Stroessner saíram à caça dos insurgentes. Houve um choque entre as forças em 11 de março, matando 10 dos 20 guerrilheiros.

Cansados de serem atropelados e humilhados pelos sequazes   da ditadura,  cansados dos abusos da policia e de verem suas terras serem tomadas e distribuídas para os líderes do stroessnismo, um grupo de camponeses tomou um ônibus coletivo com objetivo de ir à Assunção para reclamar por justiça.

No caminho, os camponeses foram interceptados pela repressão, composta por 5 mil soldados do exército. Diante dessa situação os injurgentes fugiram pela floresta.

A maioria  foi presa e muitos assassinados. Alguns feridos foram removidos para as prisões de Assunção. Outros presos foram esquartejados  e exibidos como troféus.

A primeira notícia no Brasil quem deu foi o recém lançado jornal Correio de Notícias, de Curitiba. Fazia oito meses que eu havia emergido da clandestinidade, depois de ter voltado do exílio. Fiquei sabendo do fato e passei matéria pro Correio., que deu capa na edição do dia 13 e repercutiu em seguida para o Estadão, Jornal  da Tarde, Folha de São Paulo e Veja.

No rastro da notícia, o  jornalista Nunzio Briguglio, na época repórter da revista IstoÉ bateu no setor de Relações Públicas da Itaipu Binacional atrás de informações sobre os acontecimentos no Paraguai. Nunzio deu o nome de um funcionário que segundo ele teria ligações com as Liga Agrária Camponesa daquele país.

Não sabia o repórter da Isto É que seu ato desencadeou uma investigação por parte das assessorias brasileira e paraguaia de Segurança e Informação da Itaipu.

ITAIPU BINACIONAL

ASSESSORIA ESPECIAL DE SEGURANÇA E INFORMAÇÕES

INFORME Nº E/AESI.G/IB/BR/0013/80

24MARÇO1980

MAURICIO  ALCARA

AESI/IB/BR

B-3

ITAIPU BINACIONAL

ASESORIA DE INFORMACIONES

INFORME ASI/0001/80

ASUNCIÓN,15ABRIL1980

REFERENCIA: PB Nº E/ AESI.G/IB/BR/0047/80

 

 

Compartilhe:

Aluizio Palmar

Os documentos dos arquivos da ditadura devem ser vistos com o olho crítico da dúvida, pois foram escritos por pessoas treinadas para mentir, contrainformar, caluniar, prender, torturar e matar.
Espero que Documentos Revelados contribua para a compressão dos acontecimentos das décadas passadas, dos métodos de controle usados pelo Estado Policial e estimule os visitantes a ter um compromisso ativo com a democracia.
Documentos Revelados é resultado de anos de garimpagem em arquivos públicos e particulares, de caixas e pastas, repletas de mandados de prisão, informes,radiogramas, ofícios, dossiês,relatórios e outros tipos de documentos produzidos pela burocracia policial.

Você também pode gostar...

1 comentário

  1. Dr Gilnei Fróes diz:

    Oi camarada Palmar:

    Teu magnífico trabalho não pode parar… jamais!

    Minha sugestão é que se constitua o “ INSTITUTO “DOC” REVELADOS”.
    Os detalhes da constituição de uma diretoria comprometida com princípios da vida
    (… seja formado por anistiados; ou filhos deles; ou adeptos à legalidade)
    Poder-se-á eternizar teu valioso acervo de “Direitos Humanos e Expressão da Liberdade”.

    Comparado ao Oscar Niemeyer você ainda está na puberdade.
    Não entregue!
    Um abração
    Dr. Gilnei Fróes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *