Top
AméricaForças ArmadasMinistérios

DITADURA MILITAR CRIOU NAS EMBAIXADAS REDE PARA ESPIONAR PAÍSES VIZINHOS

Arquivos secretos e inéditos do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), mostram que, numa reunião do órgão, em agosto de 1978, foi criado o “Plano de Informações Estratégicas Militares”, que descreve o esquema de espionagem organizado pelo Brasil.

No Anexo A do arquivo é detalhado o “Plano de Busca Número 1”, que, segundo o documento, “orienta, sistematiza, define responsabilidades e fixa prazos para as atividades de informações externas, relacionadas com o Plano de Informações Estratégicas Militares (Piem)”.

A tarefa era clara: fornecer ao governo brasileiro informações estratégicas e secretas dos países da América Latina, deixando apenas EUA e Canadá de fora do plano. O documento mostra que essa missão caberia não apenas a adidos militares brasileiros no exterior, mas também ao Itamaraty.

O item A do “Plano de Busca” determinava: “os adidos militares atenderão às necessidades de informações da Força Singular ou Forças Singulares que representam os países onde estão credenciados”. O item B é mais direto ainda em relação à espionagem militar. “O Ministério das Relações Exteriores atenderá às necessidades de informações estratégicas militares dos países da América Latina onde as Forças Armadas não estejam representadas por adidos militares.”

Uma detalhada planilha, chamada de “Apêndice Número 1 ao Plano de Busca Número 1” explica o que cada órgão de inteligência deveria investigar nos países vizinhos. Cinco órgãos de busca participavam dessa coleta de informações estratégicas. Quatro deles eram vinculados às Forças Armadas e o quinto era o Itamaraty, a quem cabia a tarefa mais ampla na captação de dados.

Compartilhe:

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *