Top
Imprensa InternacionalImprensa Nacional

As denúncias de tortura começaram a ser publicadas primeiro no exterior. No Brasil, só após 1979

Compartilhe:

A denúncia abaixo foi enviada clandestinamente para o exterior em 08 de dezembro  pelos prisioneiros da ditadura que se encontravam na Ilha das Flores (RJ) e publicada pelo The New York Review of Books, em 1970

STATEMENT BY WOMEN PRISONERSHELD AT ILHA DAS FLORES (RIO)

DECLARAÇÃO DOS PRISIONEIROS DA LHA DAS FLORES (RIO)

Nós, presos de Ilha das Flores (Ilha Flower), no Rio de Janeiro, escreveu esta carta, num momento em que o público brasileiro começa a ser informado sobre as atrocidades cometidas contra os presos políticos em nosso país e ainda podem duvidar de que essas crimes estão realmente acontecendo. Nós podemos assegurar a todos que a tortura existe no Brasil. E mais tudo que é dito sobre métodos de tortura é muito pouco, comparado com os verdadeiros fatos. Temos sido vítimas e testemunhas de torturas infligidas aqui e nós o consideramos nosso dever para com a verdade ea justiça para denunciá-los.

Muitos podem perguntar por que só agora é que as denúncias estão aparecendo, de todos os cantos do nosso país. Ameaças de mais torturas e até mesmo a morte tem, até agora, nos manteve em silêncio. Recentemente, no entanto, declarações do Presidente da República e do Ministro da Justiça, bem como os relatórios da imprensa local e internacional, fazem-nos crer que estamos mais protegidos contra represálias. Os Fatos

Ziléa Resnik, 22, preso em 5 de junho de 1969, acusado de pertencer à -8 MR organização revolucionária, foi mantido incomunicável por 45 dias-35 mais do que até mesmo a lei permite que os militares, durante o qual ela era freqüentemente espancada .

Rosane Resnik, 20, irmã Ziléa, foi preso sob as mesmas acusações em 27 de julho de 1969. Despida por seus torturadores, ela foi espancada e sofreu choques elétricos em várias partes do corpo, incluindo seus mamilos.

Iná de Souza Medeiros, 20, casada com Marco Antonio Faria Medeiros, preso sob as mesmas acusações em Curitiba, Paraná, em 6 de julho de 1969. Em Curitiba ela foi feita para testemunhar as torturas infligidas um de seus amigos, Gaia Milton Leite, que estava pendurado nu de um poste enquanto o rádio transmitido, no mais alto a sua, uma massa, a fim de encobrir seus gritos. No DOPS ‘s prisão (polícia política), ela foi informada que seu marido, detido dois meses antes, tinha morrido. Ela entrou em pânico, mas esta informação mais tarde foi provado errado. Levados para a prisão Ilha das Flores, ela foi espancada, recebeu choques elétricos e ameaças de agressões sexuais.

Maria Candida de Souza Gouveia, 22, preso em Curitiba em 03 de julho de 1969, sob as mesmas acusações, foi imediatamente agredido e expulso. Seus pulsos e tornozelos foram brutalmente torcida. Ela também foi despojado.

Maria Mota Lima Alvarez, 20, preso no Rio de Janeiro, em 09 de julho de 1969, sob as mesmas acusações, foi despido e espancado. Um dos dedos foi quebrado, como pode ser visto a partir de fotografias tiradas pela imprensa, quando convidado para conhecer os membros da MR -8.

Marijane Vieira Lisboa, 22, preso no Rio em 02 de setembro de 1969, acusado de ser um membro do movimento Ação Popular revolucionário, foi feito para strip, espancados e submetidos a choques elétricos que só terminou quando ela desmaiou de uma insuficiência cardíaca.

Marcia Savaget Fiani, 24, preso no Rio, no mesmo dia e encargos como o anterior, também foi feita para retirar e espancado. Os choques elétricos administrados com ela foram feitas mais intensa pela água anteriormente jogado em seu corpo. Por conta dos choques que ela tem agora uma paralisia parcial de seus dedos da mão direita. Ela foi mantida incomunicável por 14 dias.

Solange Maria Santana, 25, também foi preso no Rio no mesmo dia e encargos. Ela foi despida, espancada, e submetidos a choques elétricos. Ela tornou-se momentaneamente insanos.

Ilda Brandle Siegl, 25, preso no Rio em 29 de outubro de 1969, foi despido, espancado e submetido a choques elétricos, inclusive sobre os mamilos.

Maria Elodia Alencar, 38, preso no Rio em 30 de outubro de 1969, também foi espancado e sofreu choques elétricos. Ela foi torturada por estrangulamento e forçado a assinar o seu testemunho final, sob tortura. Sua torturadores persistentemente ameaçou prender e torturar seu filho de quinze anos de idade.

11, 12, 13. Priscila Bredariol, 23 anos, Vania Esmanhoto, 24 anos, e Victoria Pamplona, ​​26, membros militantes da Juventude Estudante JEC, católica, foram presos no Rio em 31 de outubro de 1969, sob a acusação de pertencer à Ação Popular, foram espancados e forçados para ouvir os gritos de Celso Bredariol, o marido de Priscila, e Geraldo Azevedo, finace Victoria, que estavam sendo torturados na porta ao lado, no CENIMAR ‘s oficiais (Centro de Informação Naval).

Dorma Tereza de Oliveira, 25, preso no Rio em 30 de outubro de 1969, sofreu os golpes habituais e choques elétricos, além de estrangulamento, afogamento, e as feridas em seus seios, produzido por pinças. Agulhas foram lançados sob o seu dedo em feridas seios, produzido por pinças. Agulhas foram lançados sob o seu dedo

Marta Maria Klagsbrunn, 22, preso no Rio em 02 de setembro de 1969. Seu marido, Victor Hugo Klagsbrunn foi torturado e ameaçado os carcereiros várias vezes para levá-la para ver como eles estavam tratando ele.

Arlinda … preso em 14 de novembro de 1969, no Rio, é mantido incomunicável até este dia. (08 de dezembro de 1969).

Podemos também testemunha de muitos outros casos de tortura. Podemos afirmar, por exemplo, o caso de Jean Marc Van der Weld, presidente da União Nacional dos Estudantes, que foi espancado, pendurado de um poste e submetidos a choques elétricos durante seis dias, com o resultado que os tímpanos são perfurados e ele sofre de graves distúrbios neurológicos. Celso Bredariol e Mario Fonseca Neto também foram torturados. Este último foi submetido à tortura chamada “galetto.” Enquanto ele estava pendurado em um poste de um incêndio foi criado sob o seu corpo. Esta técnica também foi empregada contra Milton Leite Gaia.

Casos de tortura estão sendo repetida indefinidamente. Sabemos com certeza que as seguintes pessoas foram torturadas: Luiz Carlos de Souza Santos, Sebastião Medeiros Filho, Marco Antonio Faria de Medeiros, Milton Leite Gaia, Rui de Abreu Xavier, Pedro Porfírio Sampaio, Antonio Roger Garcia da Silveira, Geraldo Galiza, Thiago de Almeida, Nielse Fernandes, Aluísio Palmar, Umberto Trigueiros Lima, Helio Medeiros, Jorge Valle, Rodrigo Faria Lima, Paulo Roberto das Neves Benchimol, Cesar Cabral, João Manoel Fernandes, Mauro Fernando de Souza, José Calvet Bartold, Victor Hugo Klagsbrunn, Pedro Garcia Gomes, Mario Fonseca Neto, Celso Simões Bredariol, Geraldo Azevedo, Luiz Henrique Perez, Antonio Oscar Fabino Campos, Flavio Monteiro, André Smolentzov.

Maria Luiza Garcia Rosa, 18, foi preso no Rio, estuprada e liberado rapidamente, pois ela não tinha qualquer ligação com as organizações revolucionárias.

Temos quatro pontos ainda a esclarecer:

Sessões de tortura são normalmente detidos na prisão da Ilha das Flores, nos escritórios do CENIMAR ‘s, no quarto andar do Ministério da Marinha, no DOPS prisões no Rio de Janeiro e Curitiba.

Os torturadores são altamente colocados oficiais do CENIMAR, e torturas são conhecidos para os comandantes e todos os militares que servem aqui. Torturadores tentam esconder sua identidade sob alcunhas como o Dr. Claudio, Mike Comandante, Alfredo Dr., Dr. Breno, e vários outros.

Alguns soldados e suboficiais também participar em sessões de tortura, como o sargento eo soldado Alvaro Sergio.

Torturadores costumam visitar a ilha e são “assessores técnicos” do comandante da ilha, Comdr. Clemente José Monteiro Filho.

Sabemos que nossa atitude presente, denunciando torturas, pode desencadear represálias contra nós. Temos medo, pois não seria o primeiro caso, a simulação de uma fuga ou um suicídio para tentar esconder a verdade agora estamos afirmando. Chamamos a atenção de todos aqueles interessados ​​em descobrir a verdade e punir os culpados para o fato de que estamos à mercê de todos os tipos de violência e precisamos agora, mais do que nunca, a ajuda decisiva de todos.

Ilha das Flores

8 de dezembro de 1969

Assinado por: Marta Maria Klagsbrunn, Magalhães Priscila Bredariol, Alvarez Martha, Resnik Rosane, Esmanhoto Vania, Tereza de Oliveira Dorma, Pamplona Victoria Monteiro, Iná de Souza Medeiros, Marcia Savaget Fiani, Brandle Ilda Siegl, Elodia Maria de Alencar, Solange Maria Santana , Marta Candida Gouveia, Marijane Vieira Lisboa e Ziléa Resnik.

Compartilhe:

1 comment

  1. Marco Antonio Azevedo Meyer 22 janeiro, 2012 at 19:39 Responder

    Palmar!

    A primeira denúncia de torturas saiu do Presídio de Linhares, em Juiz de Fora-MG. Trata-se do “Manifesto de Linhares” que inclusive chegou até ao
    Vaticano.
    O grande arquiteto e inspirador do Manifesto, foi o companheiro Angelo Pezzuti e os presos do Colina (Comandos de Libertação Nacional),e da Corrente (Dissidência do PCB).
    Angelo irmão de Murilo faleceu num acidente de moto , em Paris.
    Marco Meyer

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *