Top
GeralMinistériosRepressãoSNI

RELAÇÕES DE INQUÉRITOS POLICIAIS MILITARES PARTE 1

Compartilhe:

Os Inquéritos Policiais-Militares (IPMs), instrumentos de investigação e criminalização de responsáveis pela subversão da ordem social e política durante o regime militar no Brasil (1964-1985), considerados hoje do ponto de vista da pesquisa acadêmica, têm consigo uma série de implicações. Não apenas porque constituem fontes nunca antes analisadas, mas também porque eles são o resultado de um processo no qual a informação colhida foi um componente essencial na dinâmica das estruturas militares durante um momento específico da história recente do país. Isto é, além de conter o perfil burocrático de instituições racionalizadas e de se levar às últimas conseqüências a necessidade da informação como instrumento de uma guerra calculada e silenciosa, centenas de milhares de páginas, então produzidas e que hoje se despedaçam nas prateleiras dos arquivos militares, também guardam a memória daquilo que um dia fora a razão de tanto papel.

Compartilhe:

Arquivos para download:

2 comments

  1. Flávio 23 março, 2016 at 14:01 Responder

    Olá boa tarde.
    Relacionando as relações de IPMs 1, 2, 3 postado no site, percebi que são diferentes dos que estão presentes no BNM online. Gostaria de saber se existem outras relações de documentos relacionados ao Ceará. E também onde encontrá-los completos além do site BNM.
    Obrigado.

  2. Henderson Alves das Chagas 23 maio, 2017 at 12:33 Responder

    Em 1968, foram realizados dois IPMs no Município de São Sebastião -SP, pelo 6º RI/Caçapava. Um IPM foi direcionado à Câmara Municipal sob a acusação de subversão; o outro contra a Prefeitura acusada de corrupção, sob a direção do Major Henrique do Amaral. Na época diversos Vereadores foram presos, acusados de subversão. Misteriosamente , nada foi apurado com referência a corrupção. Posteriormente, ficamos sabendo que, houve um terceiro inquérito contra o Major. Assim sendo, gostaríamos de localizar os referidos Inquéritos. Salientamos que, em 1969, fomos preso pela 4ª Zona Aérea.

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *