INFORME DE AGENTE SECRETO DO CIEX SOBRE ASSOCIAÇÃO CHILENA BRASILEIRA DE SOLIDARIEDADE

Compartilhe:

Ministério das Relações Exteriores

CIEX nº 419/73

11 setembro 73

Origem: Altair

28 julho 73

Atividades da Associação Chile Brasileira de Solidariedade

No caso, o agente do Ciex, que assina o informe como Altair, após ter se infiltrado na comunidade de exilados políticos faz uma narrativa sobre a caixinha de socorro coordenada por José Ferreira Cardoso.

Um dos mais eficientes agentes da ditadura militar brasileira foi Alberto Conrado.                             De 1967 a 1980, Alberto Conrado Avegno teve intensa atividade secreta, como infiltrado da ditadura militar (1964-85) entre os exilados brasileiros no Uruguai. Interceptava e copiava cartas, produzia relatórios com nomes, endereços e planos, dando subsídios a 361 informes da ditadura apenas entre 1974 e 75. Fez viagens internacionais para cumprir “missões” do governo brasileiro. Foi detido duas vezes, no Uruguai e no Brasil, e liberado ao revelar-se infiltrado.

Identificado nos relatórios sob diferentes codinomes “Altair”, “Johnson”, “Mário”, “Carlos Silveira” e até mesmo “Zuleica”, ao longo de 14 anos ele se firmou como “único homem infiltrado no meio subversivo e peça fundamental do esquema de segurança do Brasil no Uruguai”. As palavras são de um homem da ditadura, o delegado Rui Dourado, que ajudou o ex-embaixador Manoel Pio Corrêa a montar o Ciex (Centro de Informações do Exterior), máquina de espionagem do Itamaraty

 

Compartilhe:

Arquivos para download:

Aluizio Palmar

Os documentos dos arquivos da ditadura devem ser vistos com o olho crítico da dúvida, pois foram escritos por pessoas treinadas para mentir, contrainformar, caluniar, prender, torturar e matar.
Espero que Documentos Revelados contribua para a compressão dos acontecimentos das décadas passadas, dos métodos de controle usados pelo Estado Policial e estimule os visitantes a ter um compromisso ativo com a democracia.
Documentos Revelados é resultado de anos de garimpagem em arquivos públicos e particulares, de caixas e pastas, repletas de mandados de prisão, informes,radiogramas, ofícios, dossiês,relatórios e outros tipos de documentos produzidos pela burocracia policial.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *