Top
Country Analysis and Strategy PaperDenúnciasGeralMinistériosRepressão

EM 1988, COM MEDO DE BRIZOLA, EMPRESÁRIOS INSTIGARAM MILITARES PARA QUE DESSEM UM NOVO GOLPE

Compartilhe:

doc cia

Um ano antes das primeiras eleições diretas para presidente do Brasil, em 1989, os Estados Unidos debatiam um possível novo golpe militar em gestação no país. É o que revela um memorando de 22 de novembro de 1988 preparado por analistas da agência de inteligência americana especificamente para um encontro entre o diretor da CIA e o secretário de Estado George Shultz, no governo Ronald Reagan.

Passados 27 anos do movimento da Legalidade, que garantiu a posse do vice João Goulart, os americanos não tinham perdido de vista o líder daquela resistência. No documento intitulado “Brasil: a economia e perspectivas para um golpe” os autores do relatório supõem que Shultz provavelmente questionaria o diretor da CIA sobre pressões para uma nova intervenção. A preocupação, desta vez, era com a ascensão de Brizola e as chances de ser eleito presidente: “O secretário deve querer discutir perspectivas para um golpe no Brasil e as chances de Leonel Brizola ser eleito presidente nas eleições presidenciais do ano que vem (novembro 1989)”, diz o texto. O boletim destaca que “industriais brasileiros chaves estão enviando sinais, por meio do ex-presidente General Geisel, ao alto comando militar que uma intervenção é necessária”.

Desde o início da redemocratização, a CIA monitorava a fundação de novos partidos no país. No documento chamado “Latin America Review”, de 2 de agosto de 1985, há detalhes sobre movimentações políticas, Brizola e o PDT, fundado em 1979.

Com, Carlos Rollsing e Rodrigo Lopes

 

Compartilhe:

Arquivos para download:

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *