Arquivos para download:

Aluizio Palmar

Os documentos dos arquivos da ditadura devem ser vistos com o olho crítico da dúvida, pois foram escritos por pessoas treinadas para mentir, contrainformar, caluniar, prender, torturar e matar.
Espero que Documentos Revelados contribua para a compressão dos acontecimentos das décadas passadas, dos métodos de controle usados pelo Estado Policial e estimule os visitantes a ter um compromisso ativo com a democracia.
Documentos Revelados é resultado de anos de garimpagem em arquivos públicos e particulares, de caixas e pastas, repletas de mandados de prisão, informes,radiogramas, ofícios, dossiês,relatórios e outros tipos de documentos produzidos pela burocracia policial.

Você também pode gostar...

1 comentário

  1. José Abreu diz:

    A pesquisa analisa a forma de atuação da polícia política paranaense na chamada Operação Pequeno Príncipe, ação repressiva ocorrida em 1978, em Curitiba, que visava a interdição de duas pré-escolas – Oficina e Oca – acusadas de doutrinar crianças de 1 a 6 anos de idade dentro de princípios marxistas e de servirem de fachada para atividades conspiratórias contra o governo. O trabalho demonstra que em seu combate aos opositores do regime, os órgãos repressivos desenvolveram ações apoiadas tanto na
    legalidade ditatorial como na clandestinidade, visando a produção do sentimento de medo, sendo que no primeiro caso, por meio de práticas que iam desde a vigilância sistemática e os aprisionamentos e, na ilegalidade, por meio das constantes ameaças e sequestros, agindo anonimamente e procurando acobertar-se sob o manto de grupos anticomunistas. Liderados pela Comissão de Justiça e Paz de Curitiba – Igreja Católica – setores da sociedade civil organizaram-se e denunciaram a violência policial recorrente na cidade. A imprensa acompanhou atentamente aqueles acontecimentos
    colaborando para que sua repercussão ajudasse a criar uma rede de solidariedade que pressionou as esferas superiores do governo a manifestarem-se e intervirem junto às autoridades locais responsáveis pelas prisões em Curitiba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *