17 ago 2021 - 9h00

Segue o fio

Os fios podem te perseguir, como se fossem operados remotamente, ansiosos por compartilhar com você seu conhecimento consolidado, inalterável, sólido como a visão de um cavalo usando antolhos

Aconteceu pela primeira vez há muito tempo, quando o heroico Teseu, depois de derrotar o Minotauro em uma sangrenta batalha, ainda assim se viu perdido naquele labirinto. Ele olhou para o novelo de lã em sua mão e se lembrou do conselho que recebera de Ariadne:

– Segue o fio.

A voz da bela filha do rei de Creta ecoou pelo Mundo Antigo, ricocheteou através dos tempos, ribombou como um trovão cortando a tempestade da Quarta Revolução Industrial – e foi dar no Twitter. Nos últimos tempos, não sei se você tem reparado, andamos seguindo muitos fios por lá, naquela insuspeita rede social, amplas explicações sobre a vida, o universo e tudo mais. Ao contrário de Teseu, no entanto, que escapou do labirinto e, ingrato e meio cafajeste, abandonou Ariadne em uma ilha, eu no geral acabo dando com a cabeça na parede.

No domingo, quando Cabul foi tomada pelos fundamentalistas do Talibã, e afegãos disputavam no tapa espaço em aviões pra fugir do horror, eu tinha meadas e mais meadas diante de mim, dispostas na tela do notebook, fios e mais fios que se ofereciam para me conduzir à “verdade”, me arrancar da confusão escura da minha própria estupidez.

Agarrei um deles.

Mal tinha dado três passos segurando aquela tênue linha de sabedoria e um desses jornalistas famosões – o homem que tecia os fios – já me levava até a saída daquele cipoal, a luz de seu postulado brilhando intensamente contra meus olhos que piscavam, assombrados. De acordo com ele, “o fundamentalismo islâmico é neoliberal”. E isso meio que encerrava o assunto.

Protegi os olhos, dei alguns passos pra trás e, prudentemente, voltei pra dentro do labirinto, antes que acabasse perdendo a visão diante daquela explosão de sapiência.

Mais uma zanzada por ali, peguei outro fio, indo em outra direção, que agora me assegurava que o triunfo do Talibã era uma “enorme vitória popular contra uma intervenção imperialista genocida”. E se eu porventura discordasse, o problema era exclusivamente meu, um brucutu incapaz de compreender o “pensamento dialético”.

Não sou nenhum especialista em Afeganistão – minha única especialidade é fazer arroz bem soltinho –, mas me pareceu um pouco arrogante.

Dias antes, quando dois atletas do salto em altura decidiram dividir a medalha de ouro nas Olimpíadas, os inúmeros “fios” logo transformaram isso em uma “potente” mensagem de esperança e paz para o mundo, uma mostra do espírito de fraternidade e de solidariedade entre os homens. Àquela altura, talvez ninguém ainda soubesse que os dois saltadores eram amigos pessoais, e que é perfeitamente possível ver a coisa como apenas mais um arranjo entre colegas.

Pouco importa. Quem tece um fio, jamais abre mão da convicção, do tom professoral, do dedo em riste de bedel. É ele – e apenas ele – que possui o puro e inalcançável cristal da verdade. Quem tece um fio está sempre dando uma “aula”, “dizendo tudo”, explicando a vida tintim por tintim, afinal, é “simples assim”. Quem tece um fio é alguém, acima de tudo, muito “necessário”. Ele apenas “espera ter ajudado”.

É difícil escapar. Os fios podem te perseguir, como se fossem operados remotamente, ansiosos por compartilhar com você seu conhecimento consolidado, inalterável, sólido como a visão de um cavalo usando antolhos. Você pode dedicar o resto dos seus dias a silenciar ou bloquear os homens que tecem os fios, mas eles são incontáveis como os cabelos de uma cabeça. Aparecerão de novo e de novo, e aparecerão em dobro, como se você cortasse as cabeças da Hidra de Lerna.

Por quê?, eu me pergunto, enquanto leio um fio que me explica como alguém que ganha R$ 20 mil por mês na verdade é tão pobre como um pobre-diabo que se arrasta pelas ruas recolhendo material reciclável – afinal, ambos fazem parte da “classe trabalhadora”.

Por quê?

É um mistério. E dele só sabem aqueles que tecem os fios.

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br