28 jun 2021 - 11h05

Posta Restante

Se Bolsonaro, se é que tem, abrir sua – Posta Restante – consciência vai encontrar mais de 500 mil almas com o indicador esticado chamando-o de assassino

Um ano de – Plural – crônicas.

Seria o caso de soltar foguetes, não fosse, entre algumas outras razões, a minha “fobia” a eles.

Desde jovem que não sou chegado a foguetes e piorou – no meu tempo de faculdade – depois de passar por plantões em prontos-socorros. Nos prontos-socorros eram atendidas, e deve continuar sendo, muita gente ferida por fogos de artifício: queimaduras, rompimento de tímpanos, dilaceração de mãos, etc.

Foguetes, busca pés, bombinhas – em baixo de latinhas para ver elas voarem – e traques, foi coisa da infância. Assim mesmo muito pouco. Nossa família não tinha dinheiro para gastos supérfluos.

Nas festas de São João, Santo Antônio e São Pedro – na minha infância no sítio – rezava-se terço, acendia-se fogueira, erguia-se mastro em homenagem ao santo, colocava – quem tinha um pouco mais de dinheiro – bandeirinhas no terreiro. Era servido anisete, café, bolo, chá [refrigerantes não], e de acordo com a fé e as finanças de cada um havia um parco “foguetório”.

Nos raros “foguetórios” – por festa junina ou pelo final da colheita do café, quando era boa – o Tupi sofria muito.

O Tupi – com i, no sítio não conhecíamos o y – era um cachorro que sofreu um trauma. Uma ocasião caiu um raio sobre uma peroba, árvore comum no norte do Paraná, e hoje em extinção. No momento em que a peroba foi atingida pelo raio, ele passava por baixo de uma cerca de arame farpado que absorveu parte da descarga elétrica, o que fez com que levasse um choque.

O estrondo e o choque fizeram com o que o Tupi a cada bomba, traque ou foguete entrasse na primeira casa que encontrava e em seguida debaixo da primeira cama que estivesse à sua frente.

Bem, volto ao tema: um ano de crônicas e o Brasil com o recorde bolsonarista de mais de 500 mil mortes. Não há razão nem ambiente para festa e foguetórios, sequer para as juninas. Há somente espaço para – os crentes – terços, missas e cultos online e orações em família.

Neste um ano – de crônicas – faço um balanço: não cumpri o prometido.

Prometi que escreveria em ritmo de bolero: duas crônicas sobre dedicatórias e duas comentando as “cartas” que recebia. Não me faltaram e não faltam “cartas”. Fui conferir no Posta Restante e encontrei cerca de duas dezenas delas para responder.

Não sei a idade dos – parcos – leitores e leitoras que tenho, mas creio que alguns dos/as mais novos/as não sabem o que é posta restante.

Não sei se hoje – nos correios – ainda há o Posta Restante e tampouco sei se alguém ainda mantém Caixa Postal.

Nós morávamos no sítio e a família ampla [nono, nona, tios, tias, primos, primas, etc., às vezes incluía vizinhos] tinha o ‘luxo’ de manter uma Caixa Postal. Se não me falha a memória – que muito falha – o número era 271.

Uma das coisas que mais me enchia de orgulho – quando estudava o ginásio – era ir com a chavinha abrir a Caixa Postal e ser o primeiro a ver se havia cartas e para quem.

Na época as pessoas tinham o costume de escrever cartas.

Imagina o prazer ou a necessidade ou o nervosismo, ou tudo junto, de escrever e reescrever – às vezes descobria um erro ou precisava apagar um dito que não deveria ser dito – a carta, dobrá-la, colocar no envelope, lamber o envelope para fechá-lo e depois lambear o selo para colá-lo. O prazer, ou angustia, ou alegria ou dor era receber e ler a resposta. Hoje – no que recebemos pelo correio – predomina o desprazer de receber propaganda e cobranças, mas mesmo assim defendo que não se privatize os Correios.

Mas, como disse, neste um ano de crônicas não cumpri o prometido.

Deixei de “dançar” o bolero quando constatei que não era eu que escrevia as crônicas. Escrevia duas e usava as “cartas” para escrever as outras duas, ou seja, era só copiar e comentar, e algumas cartas – pela qualidade e/ou extensão – eram a crônica pronta. Portanto, não era o autor do texto e acredito que quem quer ler alguém quer ler o que esse alguém pensa e escreve.

De qualquer maneira gosto de continuar recebendo as “cartas”, serve-me para medir, entre algumas coisas, a “qualidade do que escrevo.”

Como se mede a qualidade de um texto?

Eu por exemplo não consigo medir a “qualidade” do que escrevo. Meus textos nunca estão prontos, mando-os para a publicação no último prazo e, depois de publicado vejo que está incompleto ou que a “qualidade” não é boa, quando não péssima. Aí já foi publicada e o que me resta são as necessárias “cartas” críticas que recebo.

Todas as correspondências – seja “carta” longa, curta ou “bilhete” – que busco no “Posta Restante” e/ou na “Caixa Postal”, me abrem a consciência dos acertos e dos erros cometidos, que são muitos.

Comecei a escrever – crônicas – sobre dedicatórias para expor uma coisa que sempre me “incomodou”: por que uma dedicatória, coisa tão pessoal, virou um objeto. Ao tornar público este “incomodo”, senti que a dedicatória abandonada num sebo “incomoda” muita gente.

Se uma simples dedicatória abandonada num sebo incomoda muita gente, imagino que há milhões de – humanistas e cristãos – pessoas incomodadas com o abandono, descaso e destrato que a população brasileira vem sofrendo por parte dos nossos governantes.

Se Bolsonaro, se é que tem, abrir sua – Posta Restante – consciência vai encontrar mais de 500 mil almas com o indicador esticado chamando-o de assassino.

Medroso sairá correndo e como o Tupi entrará debaixo da primeira cama que encontrar e – assim como era com o cachorro – todos saberemos onde ele está.

Arrancado de lá e condenado pelo genocídio poderemos festejar, claro, sem foguetório.


Para ir além

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br