Novembro azul | Jornal Plural
20 nov 2019 - 21h53

Novembro azul

Em função da deficiência, todo dia é um novembro azul para mim

Dizem que novembro é o mês do homem, e se você for homem e tiver cinquenta anos ou mais, sugiro fazer a comemoração no proctologista. O exame de próstata é importante, e pode salvar a sua vida, mas muitos homens ainda preferem morrer a fazer o exame de toque retal, por puro preconceito e uns porque acham que podem acabar gostando, mas se for este o caso, o de gostar, então encare isso como um bônus! Mas duvido que será assim. Que pena que eu não gosto, não por preconceito e nem por ser algo tão desconfortável (é um pouco, mas nada que dure muito tempo, só se você quiser, é claro!).

E posso falar isso com propriedade, pois sou um dos caras que conheço que mais “levou” cutucada no brioco. Isso mesmo que você leu. E não é mentira, explico. Por causa da maldita deficiência que tenho – sou tetraplégico – na hora de evacuar no banheiro, para conseguir dar uma “esterqueada” quase sempre preciso de um “incentivo” retal, ou seja, preciso levar a famosa dedada anal dos meus enfermeiros – claro, daquele que estiver de plantão aqui em casa, não de todos ao mesmo tempo, até porque, é só para a evacuação, não é para fins recreativos.

Hoje tenho aproximadamente cinco anos e oito meses de deficiência. Fazendo as contas e levando em consideração ao menos três toques retais ao dia, já levei em torno de seis mil, cento e vinte dedadas no butiá. Sim, caros leitores e leitoras, 6.120 vezes e contando! E nem por isso minha masculinidade foi diminuída ou minha sexualidade modificada neste período. Inclusive, o meu asterisco continua o mesmo; pelo que sei, não perdi nenhuma das pregas anais, até porque a gente usa um oleozinho que é indicado pra ajudar no processo.

(Estes dias descobri uma forma de saber se você ainda está com todas as pregas: é através do exame da farinha de trigo. Funciona assim, você pega uma bacia e despeja um saco de farinha de trigo dentro dela, aí você deve tirar a roupa de baixo e sentar com a bunda pelada na farinha, pronto! É só se levantar e contar quantos risquinhos tem ao redor do pequeno círculo central que estará desenhado na farinha!)

Agora voltando ao lance de fazer o toque retal para o exame de próstata: caras, se vocês estão reclamando e estão preocupados de ter que fazer isso de vez em quando em suas vidas, lembrem-se, todos os meus dias são Novembro Azul! Chega de frescura!

Gilberto não marcou a consulta, mas como estava passando em frente ao endereço que seu amigo havia lhe indicado, aproveitou a viagem e tentou a sorte em um encaixe.

– Pois não?

– É aqui que fazem aquele exame de… aquele de…

– De toque?

– Isso.

– Qual o seu nome?

– Gilberto, mas não tá na agenda, será que consigo uma consulta pra hoje?

– Um paciente acabou de desmarcar, se você quiser pode ser agora!

– Que sorte! Bora lá então.

O médico chama para o consultório.

– Boa tarde senhor Gilberto, o senhor veio fazer o exame porque está sentindo algo diferente, ou porque estava na idade de verificação?

– É porque já estou preocupado com isso mesmo, e eu nem sabia que tinha idade indicada pra fazer este exame.

– O indicado é já aos cinquenta. Por favor, tire a sua calça e a cueca, aí deita de ladinho ali naquela maca.

– Não sabia que precisava tirar a roupa pra fazer o exame.

– Se tivesse vindo de saia, aí talvez não, mas pelo que parece, o senhor não é escocês, nem crossdresser.

Gilberto achou esquisito, mas já que o médico sabe o que faz, então tirou a roupa e deitou de lado na maca enquanto observava o médico pondo a luva e passando um tipo de pomada lubrificante no dedo indicador.

– Fica tranquilo que vai demorar menos de um minuto. Tenta não forçar o ânus quando eu introduzir o dedo, ok?

– Como assim introduzir o dedo? Introduzir aonde?

– No seu ânus.

– Opa! Espera aí! É realmente necessário fazer isso? Não tem outro jeito?

– Até tem, mas o indicado é assim mesmo. Mas se o senhor está achando que o seu problema literalmente está aumentando, sugiro fazer desta forma. Fica tranquilo que não vai doer nada e é bem rápido.

– Bom doutor, se o senhor diz que tem que ser assim, então tá.

Menos de um minuto depois:

– Prontinho.

– Mas já?

– Eu disse que seria rápido.

– O senhor não quer fazer de novo, usando dois dedos? Pra ter uma segunda opinião? (risos).

– Não, por dois motivos: primeiro porque já ouvi várias vezes esta piada, e segundo, porque o exame já foi o suficiente pra saber que a sua próstata está ótima.

– E o que tem a ver a minha próstata com o meu problema?

– Você não veio fazer o exame de toque?

– Sim…espera um pouquinho, que tipo de médico é o senhor?

– Ué, sou proctologista, obviamente.

– Puta que pariu! Vim fazer o exame de toque, mas não é toque de toque, não este tipo de toque, é toque de TOC !!! De transtorno Obsessivo Compulsivo! Tenho um tipo de mania, sabe?

– Ah entendi, o senhor entrou na sala errada, o consultório do psiquiatra é o do lado deste. Mas veja pelo lado bom, pelo menos a sua próstata está ótima!

Nisso o Gilberto já estava colocando a roupa e saindo rapidinho.

– Tchau doutor.

Dias depois o Gilberto voltou ao mesmo proctologista, mas agora com a consulta marcada.

– Opa! Gilberto! O Senhor por aqui? O psiquiatra é ao lado.

– Doutor, hoje eu vim ver o senhor mesmo.

– Entendi, veio por causa da saúde?

– Não doutor, não vim por causa da saúde.

– E veio porquê então?

– Vim por causa da saudade!

Os dois ficaram se olhando fixamente por um tempo, olho no olho, até que o médico falou:

– Então só tenho uma coisa pra te dizer.

– E o que é doutor?

– Você precisa voltar no psiquiatra urgentemente.

Últimas Notícias