Sanguinolência

Poderia falar de coisas mais que divinas caídas do céu, mas o menino um dia será homem e haverá de saber que os homens nascem das mulheres, e nunca o contrário

Ana Eduarda Diehl

De que servem as flores

Minha amiga era uma aristocrata por natureza. Vendeu sua floricultura no São Francisco quando completou cinquenta anos, e desde então vivia da renda de dois imóveis, um deles locado para mim

Ana Eduarda Diehl

Raras travessas

Seriam necessárias  bússolas e mapas para achar a volta, mas nossas histórias por essas ruas prescindem de medidas, estão todas cravadas na memória

Ana Eduarda Diehl

Aos escafandristas

Voltei para pegar a camisola e a nossa breve história se desfez no desaparecimento de um rastro, sem deixar vestígios de imagens do que poderia ser

Ana Eduarda Diehl

Café sem discurso

Estávamos em estado de mistura e ninguém parecia se incomodar com o fato de que uma cidade verdadeiramente existisse assim, tão sórdida e bela, enquanto Nasser, o libanês, nos atendia com um cigarro na mão e um isqueiro de prontidão

Ana Eduarda Diehl