A potência da máscara | Jornal Plural
Clube Kotter
12 abr 2020 - 18h53

A potência da máscara

Um diálogo possível em tempos de Covid-19

– Eu já usei máscaras em teatros e elas sempre são de uma versatilidade de funções que a gente nem imagina!

– É?

– Elas são tradutoras de emoções, elas são a personificação de um personagem impossível! Eu, por exemplo. Tô lembrando aqui. Uma vez, muito tempo atrás. O que eu fiz? Um velho, quando eu era muito novo. E, por causa da máscara, eu realmente era um velho. E todo mundo achava que era um velho e vinham nos bastidores pra conversar com o velho e não acreditavam que não era. Parece mentira – e nem tô querendo elogios pro meu trabalho. Foi tudo graças a máscara.

– Uau.

– Mas não só isso.

– Ok.

– Elas oficialmente tem uma magia, sabe? Nas culturas de todo o mundo, elas tem uma força, um je ne sais quoi

– Oi?

– É francês. Você não fala francês?

Oui.

– Então… as máscaras tem uma potência. Tem gente que acha que é só colocar algo na cara que tá pronto. Mas não. A máscara tem que ser traduzida no seu corpo todo. Ela é um portal de personificação.

– É?

– São poucos os artistas que têm a técnica, a experiência e o respeito necessário para usar máscaras e traduzi-las à sua melhor forma.

– Hum.

– Seu valor antropológico tem que emergir na performance, senão o artista está desrespeitando não só a sua arte como todo o passado dela.

– Ok.

– Você consegue compreender a magnitude do uso de uma máscara?

Oui.

– Então… foi por esse respeito, por esse amor, por saber da ancestralidade envolvida, que eu decidi não estar usando máscaras hoje, neste momento. Então… será que o senhor poderia levar isso em conta e não me infectar, seu Covid-19?

– … não.

– Poxa, mesmo depois de toda essa defesa?

– É…

– Vocês, vírus respiratórios, são bastante monossilábicos.

– Só.

– E essa é a última coisa que você vai me dizer?

– Não.

– E qual é?

– Adeus.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias