Dia 93 - Vitamina D | Jornal Plural
Clube Kotter
17 jun 2020 - 19h57

Dia 93 – Vitamina D

Na TV, a imprensa repercute um estudo feito em Turim, na Itália, que mostrou correlação entre a falta de vitamina D e a infecção pelo vírus. Não se falou nada sobre a presença da vitamina entre os não infectados

Decido levar uma vida mais saudável e vou à nutricionista que minha colega de trabalho indicou. Sem cigarro há mais de quatro anos, fazendo academia, só falta me alimentar direito. Ela pede uns exames – o resultado, já esperado, mostra que a vitamina D está baixa. Não do tipo um pouco abaixo, mas do tipo à beira da morte por insuficiência de vitamina D.

Começo a tomar um comprimido por dia. As curvas da minha saúde começam a apresentar melhora – mas o mundo é inundado pelo pandemônio.

A caixa de comprimidos carrega o suficiente para pouco mais de três meses. Ao tomar o primeiro, acho que é uma quantidade absurda e que até o fim da caixa tudo estará de volta ao normal.

***

Na TV, a imprensa repercute um estudo feito em Turim, na Itália, que mostrou correlação entre a falta de vitamina D e a infecção pelo vírus. Não se falou nada sobre a presença da vitamina entre os não infectados. Em um mundo tomado pela aflição, nem adiantaria falar.

Não há espaço para rigor científico quando o cenário é de desespero.

Os comerciais de vitamina D inundam a TV e a internet. Salve-se do corona com a nossa marca de vitamina!

***

Tomo o último comprimido. Encomendo mais uma caixa, para mais três meses. Agora que o frio está chegando devo tomar ainda menos sol. Pensando nisso, puxo a cadeira e vou me sentar, na hora do almoço, na frente de casa, para pegar pelo menos um pouco de vitamina pelas vias naturais.

A nutricionista mandou expor o máximo possível do corpo ao sol, respeitando os limites impostos pelo recato. Um vizinho olha pela janela acreditando que o condomínio está sendo invadido pelo extraterrestre do filme Cocoon. Ignoro.

***

Na semana passada, comentei aqui sobre uma pequena altercação ocorrida entre dois vizinhos. Um homem e uma mulher, creio que por uma antiga rixa por conta do uso dos espaços públicos do condomínio.

O homem está ali fora, em frente à sua própria casa, talvez também tomando sol. Ele me vê e se aproveita da minha vulnerabilidade para se aproximar. No meio do caminho já pergunta:

– Você que escreve no Plural?

Era só o que me faltava, um personagem leitor. Invoco a quinta emenda ao fingir que não ouvi sua pergunta, torcendo para que ele tenha a delicadeza de fingir que nada disso aconteceu, sigamos a vida, moço, agora não posso, estou tomando meu banho de sol.

Ele não é uma pessoa discreta, mas eu já deveria saber disso desde semana passada. Faço uma careta para demonstrar que não entendi o que ele disse.

– Aquele jornal, o Plural.

– Jornal?

– É você que escreve lá?

– Não sei do que você está falando.

– Sério mesmo? Não é você?

– Juro! Nem sei que jornal é esse. Como é o nome mesmo?

Plural. Cara, tem um cara que escreve lá que contou uma história igualzinha a conversa que tivemos. Não lembro o nome agora.

– Que conversa?

– Lembra da folgada do vinte e quatro que eu comentei com você?

– Vagamente…

– Saiu num jornal aí uma história igualzinha.

– Nossa, que estranho, mas prazer viu, vou entrar agora.

– Como é o seu nome?

– Rogério.

Pra ajudar, invento o nome do editor do jornal. Era só o que me faltava.

Vizinho: você vai achar que sou eu. Mas não sou eu. Ou melhor, não é o seu vizinho: deixe que ele tome banho de sol em paz. Ele precisa de vitamina D por recomendação médica.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias