Star Wars IX revela: o último jedi era mesmo John Williams | Plural
23 dez 2019 - 19h07

Star Wars IX revela: o último jedi era mesmo John Williams

O compositor fez uma trilha sonora condizente com os momentos épicos e nostálgica

Se tirarmos a trilha sonora de Star Wars IX – A Ascensão Skywalker sobra o quê? Um filme inconstante, às vezes previsível, com um título confuso e que, ansioso por agradar a gregos, troianos e a todos os habitantes da Orla Exterior, esbarra num misto de nostalgia e perguntas sem respostas.

Em meio a isso tudo, há que se fazer justiça: o filme revelou que o último jedi era mesmo John Williams. O experiente compositor, mais uma vez, trouxe uma trilha sonora condizente com os momentos épicos e nostálgica o suficiente, para que os fãs acalorados não se importassem com as inovações, aplicadas na medida certa.

Por se tratar de uma saga, que há quatro décadas mobiliza a cultura pop mundial, seria irresponsável julgar Star Wars apenas por um de seus episódios. Estamos falando de nove filmes oficiais, dois derivados e mais duas séries de animação. É muita coisa. John Williams é o compositor da música dos nove episódios principais.

A música do Episódio IX

Para analisarmos a trilha sonora deste último filme, convém retornarmos ao Episódio VII, O Despertar da Força (2015). Nos extras do filme há um breve documentário intitulado A Sétima Sinfonia, no qual o compositor John Williams fala de sua experiência com o universo Star Wars, desde o primeiro filme, em 1977. Ele comenta as pontes que criou entre a trilha sonora original e os temas compostos para os novos personagens, especialmente Rey (Daisy Ridley) e Kylo Ren (Adam Driver). Vamos aos temas:

Rey

A música é enigmática e paradoxal, porque traz, ao mesmo tempo, um ar de simplicidade (através do som da flauta que executa a melodia principal) e de complexidade (devido às construções da melodia e da harmonia). Reflete, de forma precisa, a personalidade daquela pessoa sem sobrenome, nascida em um lixão, que vive anonimamente entre os excluídos, mas que se mostra altamente capaz de defender a si mesma e ao próximo. Uma jedi por excelência.

Ren

Claramente inspirado na Marcha Imperial (escrita para o seu avô, Darth Vader), o tema de Kylo Ren é brutal e agressivo. Sua melodia, executada em fortíssimo pelas trompas, denota a maldade atribuída ao personagem e também sua posição privilegiada, tanto política quanto socialmente: bem nascido (neto de Darth Vader, filho de Han Solo e Leia), poderoso (um temido usuário do lado sombrio da força), líder de uma força militar (A Primeira Ordem), porém inseguro, por temer não conseguir desenvolver a mesma força do avô. Às vezes parece um menino mimado, por conta disso.

Evolução dos temas no Episódio IX

Os dois temas ganharam desenvolvimentos interessantes ao longo dos três filmes, especialmente neste último. Conforme Rey avança em seu treinamento Jedi, o tema se transforma junto com ela. Na sequência final, quando suas habilidades são postas à prova e sua trajetória se consolida, a música amadurece e se conecta ao Tema da Força. O mesmo acontece com Kylo Ren. Os aspectos que denotam incertezas sobre sua capacidade e personalidade são retirados da música, conduzindo o público apenas à ação exposta na tela. Por fim, a conexão que há entre ele e Rey também se completa através da música.

Batalha épica

Obviamente há uma grande batalha espacial. Os bons começam perdendo e depois viram o jogo. Básico. A trilha sonora deixa claro o momento da virada, quando o tema da abertura de Star Wars toca durante o filme, impondo uma mudança proposital para o Modo Maior. Aos que não estão familiarizados com a linguagem, vou exemplificar: pense numa música que denota entusiasmo e a certeza de que as coisas vão dar certo. É isso. Creio que essa decisão deve-se, justamente, ao fato deste filme ser o último, portanto a execução do tema de abertura em meio a uma cena de batalha tem sua razão de ser.

Temas novos disponíveis na trilha do Episódio IX

Uma série de novas músicas foi escrita por John Williams para momentos específicos deste último filme, das quais separo duas: The Old Death Star e Journey to Exegol. A primeira serve de pano de fundo para o momento no qual Rey vai explorar os destroços da Estrela da Morte. Há neste tema uma citação à Marcha Imperial. Também cita, de forma breve, o Tema da Forca, denotando a atmosfera de conflito que permeia toda a trama.

A segunda é destinada à viagem para o lugar em que o Imperador Palpatine está escondido, armando suas tramóias. Essa música traz elementos do tema de Kylo Ren, acrescidos da impactante Marcha Imperial. Novamente as trompas, em fortíssimo e apoiadas pelos metais graves, tornam o tema algo militar e despótico.

Saldo

O final do filme e da saga emocionam, sim. A música evoca o triunfo, mas também deixa a sensação de saudade, porque, afinal de contas, essa história ficará guardada num passado longínquo, em uma galáxia muito, muito distante.

Obs.: Final piegas esse do meu texto, com uma galáxia e blá, blá, blá, mas é sobre Star Wars e Star Wars é piegas mesmo. Que a força esteja com você.

Para ir além

A minha releitura para piano do Tema da Força

Documentário A Sétima Sinfonia

Playlist de Star Wars IX, no Spotify

Últimas Notícias