6 maio 2021 - 0h01

Vencer ou vencer!

Abusador não tem dia e nem hora para fazer maldade!

Se você ainda não leu meus textos anteriores, já quero deixar o convite para entender um pouco do meu trabalho no combate à pedofilia e o motivo que estamos há anos “batendo na mesma tecla”.

Não sei se você sabe, mas nesse mês, campanhas de conscientização e prevenção fazem parte do calendário de todo o Brasil, o Maio Laranja chega para nos lembrar sobre a importância de preservar os direitos de nossas crianças! Não deveríamos esperar esse mês (que é importantíssimo) chegar para falarmos sobre abuso e exploração sexual infantil, deveríamos falar os 365 dias, afinal abusador não tem dia e nem hora para fazer maldade não é mesmo?

Para fechar com chave de ouro o conjunto de três textos que abordam com dicas simples os cuidados para identificar sinais de abusos nas crianças, hoje dedico para meus colegas de farda e trago aqui mais um incentivo aos policiais militares: sejam ousados na caça aos pedófilos, meu lema é vencer ou vencer!

Mas você sabe o porquê do Maio Laranja? Em 18 de maio de 1973, uma menina de oito anos de idade, chamada Araceli, foi sequestrada, drogada, violentada sexualmente e assassinada em Vitória (ES). No ano de 1991, os três réus acusados de matar a menina foram absolvidos e o crime permanece impune até hoje. Para chamar atenção sobre a urgência de se combater o abuso e a exploração sexual infanto-juvenil no Brasil, mais de 80 entidades se reuniram em um evento e tiveram a ideia de criar o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual e Comercial de Crianças e Adolescentes. Como sugestão, a data para fazer alusão ao tema foi 18 de maio, dia do assassinato de Araceli, que, em 2000, com a aprovação da Lei Federal 9.970/2000, tornou-se oficial em todo o território brasileiro.

Então, depois de anos de trabalho em campo e viajando pelos países, escrevi algumas dicas para ajudar policiais nessa luta:

  • Nunca fique sozinho com a criança se não tiver outros companheiros dentro da VTR.
  • Seja paciente, o que a criança está prestes a partilhar é extremamente doloroso para ela. Procure perceber o quanto é difícil para ela dizer tais coisas.
  • Deixar a criança falar e contar o sucedido com as suas próprias palavras, nunca a pressionando nem perguntando detalhes.
  • Conforte a criança e ouça atentamente pressupondo que está dizendo a verdade.
  • Faça com que a criança saiba que a polícia fará o que for possível para protegê-la.
  • Mesmo que deseje, não faça promessas que não possa cumprir.
  • Permita que a criança veja a sua preocupação, no entanto tenha cuidado para que ela não sinta que o está sobrecarregando.
  • Mesmo que tenha dúvida, dizer à criança que acredita nela, elogiar sua coragem e agradecer por demonstrar confiança na polícia.
  • Importante: Se demonstrar repulsa ao ato relatado, nunca deixe a criança confundir esse sinal e interpretá-lo como uma reprovação a ela.
  • Nunca queira saber da vítima o que o agressor fez ou até que ponto chegou o abuso, esse não é o seu papel.

Vamos todos juntos fazer de mais um Maio Laranja uma oportunidade de aprendizado, reflexão e principalmente mudança de atitude! Juntos somos melhores, mais fortes e podemos transformar realidades. #Juntoscontraapedofilia

Denuncie

  • Disque 100 de qualquer telefone no território nacional
  • 181 Disque Denúncia
  • 197 Polícia Civil
  • 190 Polícia Militar
  • 191 Polícia Rodoviária Federal

Como denunciar em Curitiba?

As denúncias podem ser feitas pelos telefones 100 e 156.


Para ir além

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br