27 jan 2022 - 8h00

Ruim para os médicos, pior para os pacientes

Desrespeito, falta de segurança e precarização no atendimento à saúde são realidade em pelo menos 3 UPAs da rede municipal

Existem pessoas que se orgulham das respostas que Curitiba tem dado à emergência sanitária da Covid-19. Eu não sou uma delas. Desde o dia 16 de março de 2020, com o Decreto Municipal n.º 421, a Secretaria de Saúde tem adotado medidas emergenciais para conter a alta de atendimentos, mas o que parece ser uma gestão eficiente tem provocado consequências problemáticas.

Um dos efeitos da reorganização do sistema municipal de saúde é a precarização do serviço. Tanto que, no dia 30 de dezembro passado, o Sindicado dos Médicos do Paraná protocolou um pedido de socorro à Procuradoria Regional do Trabalho. Várias denúncias também foram recebidas pelo meu gabinete, ao que respondi com o envio de dois ofícios ao Ministério Público do Trabalho do Paraná pedindo providências e uma possível abertura de procedimento administrativo para que os fatos sejam investigados. As denúncias mencionam as UPAs do Boqueirão, Pinheirinho e Boa Vista. A UPA do Boqueirão acaba de virar um Centro de Internamento, o que promete afogar ainda mais as filas nas demais Unidades de Pronto Atendimento.

Entre os casos citados, tem-se consultas sendo realizadas sem privacidade, espaço ou qualquer condição de segurança. A estrutura dos atendimentos é precária, sem mesa, cadeira ou equipamentos para o registro de prontuários e receitas. Há ainda casos de furto, agressões diárias, remanejamentos constantes de equipes, furos de procedimentos na triagem, pressão pela realização de consultas em tempo recorde e longas filas de espera, devido à falta de profissionais. Protocolos de proteção à Covid-19 também são ignorados dentro das UPAS, aumentando o risco de transmissão da doença justamente onde se busca a cura.

As situações relatadas representam violações ao Código de Ética Médica, a precarização das condições de trabalho, mas não só isso: impactam negativamente a qualidade do atendimento à população. O que temos, certamente, é mais uma prova do quanto a gestão pública municipal tem falhado ao olhar para as pessoas e suas necessidades mais sensíveis.

UPA do Boqueirão. Foto: Renato Prospero/SMCS.

As situações relatadas representam violações ao Código de Ética Médica, a precarização das condições de trabalho, mas não só isso: impactam negativamente a qualidade do atendimento à população.

Foto: Simepar
Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova