20 maio 2021 - 1h40

Julho Verde e a conscientização sobre o câncer de cabeça e de pescoço

A discussão do tema, o diagnóstico precoce e tratamento nas fases iniciais podem salvar vidas

Estudos do Instituto Nacional de Câncer (Inca) revelam que cerca de 41 mil novos casos de câncer de cabeça e pescoço surgem anualmente em nosso país. Os tumores malignos desta região correspondem a 3% de todos os tipos de câncer, sendo os da cavidade oral e laringe os tumores mais comuns.

Assunto que precisa ser acompanhado com muita seriedade por toda população, já que o diagnóstico precoce e tratamento nas fases iniciais são fundamentais para a cura do paciente e para que não tenham sequelas posteriormente. É muito importante que qualquer lesão observada seja notificada ao médico.

Eu mesma comecei a perceber nódulos na minha garganta e uma rouquidão que prontamente investiguei. Por sorte não era nada grave, mas poderia ser, e por isso, não podemos descuidar. Devemos ficar atentos ao nosso corpo e a nossa saúde. Ter bons hábitos alimentares, praticar exercícios físicos, não ingerir bebidas alcoólicas e não fumar, por exemplo, farão muita diferença na sua vida.     

Pensando nisso, e entendendo a importância da causa, levamos ao debate do plenário da Câmara Municipal de Curitiba o projeto de lei que cria a campanha Julho Verde, voltada à conscientização sobre o câncer de cabeça e de pescoço. A ideia é que a população seja estimulada a discutir sobre a doença, dentro de um calendário de ações educativas e preventivas, estimulando o debate do tema. 

O mês foi escolhido em alusão ao Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço, comemorado em 27 de julho. A ideia é que durante todo o mês a campanha traga informações importantes para a população, salvando centenas de vidas. Fique atento com a sua saúde e das pessoas que você ama.


Para ir além

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Bolsonaro não concluiu 84% das obras da transposição do Rio São Francisco, como alega vídeo

É enganosa a afirmação de que Jair Bolsonaro (PL) entregou 84% das obras da Transposição do rio São Francisco. Apesar do presidente ter retomado 222 km que haviam sido retirados do projeto original por administração anterior, a execução da obra atravessou outras três gestões federais que, juntas, entregaram mais de 90% da infraestrutura do empreendimento, considerando a extensão inicial – de 477 km

Projeto Comprova