1 jul 2021 - 8h00

Ei mulher, não se cale!

Somos muitas…nossa força, união e nossa voz!

Em pleno confinamento, a ONU sinalizou uma pandemia de invisibilidade crescente, sabe qual? A da violência contra a mulher! Países como Argentina, Canadá, França, Alemanha, Espanha, Reino Unido, Austrália e Estados Unidos relataram índices maiores de pedidos de ajuda, afinal, a violência está aumentando com intensidade. Aqui no nosso país, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos divulgou recentemente dados sobre denúncias de violência contra mulheres.

Só no ano passado, foram mais de 105 mil denúncias registradas nas plataformas do Ligue 180 e do Disque 100. Infelizmente, 75,7 mil denúncias são referentes a violência doméstica e familiar. De acordo com a Lei Maria da Penha esse tipo de violência é caracterizado pela ação ou omissão que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico da mulher. Ainda estão na lista danos morais ou patrimoniais a mulheres. Aqui está a grande questão: esses dados estão aumentando, já que com o isolamento dessas mulheres com parceiros violentos, elas ficam longe das pessoas e dos recursos que podem melhor ajudá-las.

“Mesmo antes da existência da Covid-19, a violência doméstica já era uma das maiores violações dos direitos humanos. Nos 12 meses anteriores, 243 milhões de mulheres e meninas (de 15 a 49 anos) em todo o mundo foram submetidas à violência sexual ou física por um parceiro íntimo. À medida que a pandemia da Covid-19 continua, é provável que esse número cresça com múltiplos impactos no bem-estar das mulheres, em sua saúde sexual e reprodutiva, em sua saúde mental e em sua capacidade de participar e liderar a recuperação de nossas sociedades e economia”, disse Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres e vice-secretária geral das Nações Unidas.

Eu não sei você caro leitor, mas todas as vezes que leio dados como esses, uma revolta gigante grita dentro de mim e me faz a cada dia, trabalhar mais e pensar em leis que tornem o sofrimento de crianças e mulheres um pouco menor.

Isso mostra que precisamos urgentemente parar de fazer políticas públicas baseados no que achamos, e sim nos munir de dados e investigações e assim, criarmos um novo cenário protetivo para as vítimas e de justiça para os criminosos!

Cada dia mais temos estudado problemas que envolvem nossas crianças e mulheres e por conta disso, propomos boas soluções. Você pode acompanhar através das minhas redes sociais e site como já tenho dito nos meus textos anteriores, sua opinião e sugestões sempre serão bem-vindos.

Na Câmara de vereadores, tenho projetos de leis sobre esse assunto também. Para saber mais, acesse minhas redes sociais @sargentotaniaguerreiro ou meu site www.sargentotaniaguerreiro.com.br

Se você está sofrendo qualquer tipo de violência denuncie!

O Disque 100 e o Ligue 180 são serviços gratuitos para denúncias de violações de direitos humanos e de violência contra a mulher, respectivamente. Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia pelos serviços, que funcionam 24h por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. Além de cadastrar e encaminhar os casos aos órgãos competentes, a Ouvidoria recebe reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.


Para ir além

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br