24 fev 2022 - 8h00

4 motivos para você não expor seus filhos nas redes sociais

Em 2019, 18% dos meninos, entre 9 e 17 anos, viram imagem ou vídeo de conteúdo sexual na internet; 20% deles receberam mensagens de conteúdo sexual; e 13% das meninas, entre 9 e 17 anos, já receberam pedido para enviarem fotos ou vídeos íntimos

Muita gente questiona o motivo de falarmos sobre a importância de não expor fotos ou vídeos de crianças na internet, e hoje vou te mostrar os 4 principais motivos para não fazer isso.

Segundo dados da Hootsuite e WeAreSocial, no Brasil são mais de 150 milhões de usuários de redes sociais, e a taxa de usuários pelo total de habitantes é de 70,3%, um dos maiores dentre todos os países. O Sudeste é a região do Brasil com a maior taxa, cerca de 78% dos usuários utilizam redes sociais. Na média, os brasileiros passam 10 horas e 8 minutos por dia conectados à internet, seja para trabalho ou lazer.

E você pode estar se perguntando onde quero chegar? Além desses dados, o jornal New York Times informou em 2019 que empresas de tecnologia registraram mais de 45 milhões de fotos e vídeos online de crianças vítimas de abuso sexual. O número é mais que o dobro do registrado no ano anterior.

Ainda em 2019, de acordo com o Tic Kids, 18% dos meninos, entre 9 e 17 anos, viram imagem ou vídeo de conteúdo sexual na internet; 20% deles receberam mensagens de conteúdo sexual; e 13% das meninas, entre 9 e 17 anos, já receberam pedido para enviarem fotos ou vídeos íntimos.

Cada dia mais nossas crianças estão sendo expostas até mesmo pelos próprios familiares e consumindo materiais livremente pela internet, quem nunca viu uma criança com algum celular na mão?

Por isso, precisamos cada vez mais acompanhar o que os pequenos fazem na internet, conversando e explicando sobre os perigos presentes nas redes. Quer saber os motivos?

  1. Lembrar que tudo o que é colocado na internet pode tomar proporções gigantescas e acabar alcançando pessoas com más intenções. Por isso, jamais poste informações pessoais como endereço, quais os locais que frequenta de costume e principalmente, fotos ou vídeos de criança sem roupa;
  2. Cuidar com aceites de pessoas desconhecidas nas redes sociais, não esqueça que por trás de uma tela as pessoas são o que querem ser;
  3. Cyberbullying – o famoso bullying pela internet, grande fator da depressão e suicídio entre jovens;
  4. Impacto na autoestima – os pequenos ainda não sabem lidar com julgamentos ou críticas e os adolescentes são afetados diretamente em relação sua identidade;

Quero mudar a situação de crianças e adolescentes do nosso país para ajudar a construir um futuro melhor. Venha comigo nessa missão, compartilhe com o máximo de pessoas que puder!

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova