Um bar

Será que o que se esperava de nós há duas ou três gerações ainda é o que se espera de uma mulher no século XXI? O que mudou de lá pra cá? Mudou, será? Você, mulher, raspe essa axila, endireite essa coluna, feche as pernas, e responda, sem gritar, o que espera de si? Para si?

Nicole Lima

Fail better

Quando foi a última vez que misturou cores, contornou um rosto, ou segurou um bocado de argila úmida entre os dedos e se arriscou a modelar? Quando foi a última vez que tentou fazer algo sem nenhuma garantia de sucesso?

Nicole Lima

Enquanto tudo queima, eu canto

Qual o papel da arte em meio à escuridão? Qual o alcance da arte diante da violência instituída, da miséria, da doença, da guerra, ou mesmo da dor dos outros?

Nicole Lima

África: um mistério

O modo de expor arte africana foi sempre o modo europeu. Se utilizássemos o estilo africano, com todas as suas possibilidades teóricas, imagéticas e materiais, incluindo sangue, saliva, produtos e os cerca de 400 povos da Nigéria versus os outros milhares de povos dos cinquenta e tantos outros países a exposição seria impossível

Nicole Lima

Fora da ordem

Do outro lado do reflexo daquelas imagens brilhantes em fundos coloridos, sou confrontada com meus desejos, compulsões, medos e até mesmo com a minha ingenuidade: onde eu estava? Onde eu estou? Em que mundos tão distintos convivem simultaneamente abajures cromados de luxo e a miséria humana? O que é real, afinal?

Nicole Lima

A revelação

Percorro as distâncias dos enormes painéis tal qual a mão do artista percorreu minuciosamente, a cada traço, o apocalipse que se dispôs a relatar. Um embate tão simultâneo àquele que eu mesma, há poucos minutos, travava com os meus filósofos

Nicole Lima

O brilho eterno de uma sociedade sem lembranças

Não acredito em nenhuma reparação histórica que se faça através do apagamento das violências que foram causadas ou sofridas, pelo contrário, insisto que elas devem ser condenadas a ser esfregadas na nossa cara e nos envergonhar eternamente

Nicole Lima

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds