Lado B - Um Lugar: Livraria Vertov | Plural
22 maio 2019 - 9h00

Lado B – Um Lugar: Livraria Vertov

Um espaço único na cidade, dedicado ao feminismo e a esquerda 

A começar pelo nome, a Vertov já se distingue de outras livrarias de Curitiba. É uma homenagem a Dziga Vertov (1896-1954), cineasta que documentou os anos do regime socialista na Rússia desde o início. Experimental e transgressor, morreu em 1954 e deixou um legado revolucionário na história do cinema mundial. 

O cineasta Dziga Vertov

O espaço da livraria é aconchegante e, ao mesmo tempo, conceitual e transgressor, como foi Vertov. Era um apartamento residencial, situado em um predinho antigo na esquina das ruas Visconde do Rio Branco e Princesa Isabel. No térreo funciona uma padaria. No único andar, que se alcança subindo uma escada de madeira, fica a Vertov. São várias salas – na verdade, salas, quartos, cozinha e banheiro – transformadas em locais de leitura e convivência. Todos eles com estantes cheias de livros – são mais de dez mil títulos.

A Vertov existe desde 2011; já foi uma livraria online e em outro local, mas com abertura esporádica, e funcionava junto com um brechó. Em 2013, a livraria já estava no endereço atual, com funcionamento em horários comerciais – e pedidos online pela Estante Virtual.

Os títulos vão desde arquitetura, artes, cinema, comunicação e culinária, até crítica literária, design, ecologia, filosofia, gênero, geografia e história. Tem, ainda, seções de infantil, infanto-juvenil, literatura, literatura étnico-racial, literatura oriental, moda, música, pedagogia, poesia, psicologia, quadrinhos, serviço social, sociologia e teatro.

Thiago Autran e Socorro Araújo são os sócios idealizadores do espaço. Erich Meiners é gestor e cuida do financeiro – se tornou sócio em 2015. “Aqui é aberto para vários tipos de manifestações: debates, cursos, oficinas… A gente quer que as pessoas venham, se encontrem, usem o espaço, não é só pra vir aqui e comprar livros”, diz Socorro. Ela deixa claro que quanto mais gente se reunir ali para conversar e debater, melhor. 

Os sócios avaliam que o projeto tem obtido sucessos. “Temos uma missão: preencher uma lacuna que outras livrarias nem sempre preenchem, trazendo maior representatividade, por isso o cuidado em sempre trazer escritoras mulheres, negros e negras, indígenas, orientais e outras etnias”, fala Socorro.

“Temos formado uma rede de pessoas que valorizam a leitura, a escrita, e compartilhar conhecimento e informações.”

Desde o começo deste ano, Maíra Fernandes trabalha na Vertov na área de eventos e comunicação e também atendendo. “Mas todo mundo faz de tudo um pouco por aqui, todos atendem, fazem manutenção do espaço, vão para eventos e realizam pedidos”, aponta Maíra. 

Segundo ela, as indicações de títulos partem de toda a equipe. “Muita coisa acaba sendo o próprio Erich, já que Socorro e eu ficamos alguns dias da semana fora, devido aos eventos. Mas todos nós temos autonomia pra indicar livros e fazer pedidos, então acaba sendo um acervo em coletivo.”

Anexo à Vertov, fica o Espaço Cultural Mulher, Trabalho e Memória, fundado em março de 2016. O objetivo é fornecer aos artistas, pesquisadores, e ao público em geral, a possibilidade de compreender em objetos e imagens do trabalho das mulheres, a importante contribuição na formação econômica e cultural de nossa sociedade.

“Na resistência contra a exploração capitalista de sua força de trabalho, contra as tentativas de inviabilizar a suas lutas, e contra a imposição de um papel de submissão historicamente construído, elas se organizaram. Foi dessa resistência que ao longo da história surgiram importantes conquistas, como o direito à associação sindical, o voto feminino e a participação em organizações partidárias”, aponta Socorro.

Atualmente, o Espaço recebe a roda de samba Maria Navalha, o grupo de Economia Solidária da Rede Mandala de Terapias Holísticas, ensaios do Movimento Feminino Anita Garibaldi, atividades da Semana Fashion Revolution Curitiba, clube de leitura feminista, clube de leitura do Instituto Aurora, clube de leitura do Clube Lesbos, Leia Mulheres Curitiba, além de diversas oficinas artísticas, cine debates, entre outras.

Leia mais artigos de Bia Moraes

Lado B – Um lugar: Confeitaria Edelweiss

Lado B – Um Lugar: A Camponesa, onde ainda tem pão “bundinha”  

Últimas Notícias