Lado B: Um Lugar - Fellini | Plural
12 jun 2019 - 7h00

Lado B: Um Lugar – Fellini

Bia Moraes mostra um restaurante em Santa Felicidade que é diferente dos vizinhos

Quem é de Curitiba e não gosta de ir almoçar domingo em Santa Felicidade… bem, não é curitibano, certo? Em casa, a gente fala “vamos lá comer frangada e polentada” pelo menos uma vez por ano. Todo mundo conhece o esquema: é sentar e ter a mesa imediatamente invadida por pratos de polenta frita, maionese, salada com bacon e vinagre, frango de tudo que é jeito e massas, muitas massas.

Gostando ou não dos Madalossos da vida, tem um restaurante em Santa que é diferente dos vizinhos. Serve comida italiana, sim. Mas o Fellini tem um ingrediente que nenhum dos concorrentes têm: amor.

Muito amor. Em família.

Crédito da foto: Mariana Florecki

O Fellini abriu as portas há 10 anos. Desde então, pai, mãe e dois filhos preparam uns pratos que são de comer rezando. Mesmo.

É comida caseira. Feita pelas mãos dos quatro – principalmente, as da dona Felicitá e do seu Claudinei. Os dois têm mais de 50 anos de casados e mais de 100 anos de cozinha somadas.

Crédito da foto: Thiago Cavalieri

Crédito da foto: Mariana Florecki

Ele é alemão do Alto da Glória. Em 1966, foi dançar um baile na “colónia” e conheceu a Princesa da Uva, que já vinha com Felicidade no nome. “Trabalhou em tudo que você possa imaginar, gandula de pino de boliche em 1956 até dono de box no antigo e primeiro Mercado Municipal”, conta Mariane Trog, a filha que cursou Comunicação, mas sempre trabalhou junto aos pais.

Dona Felicitá Trevizan Trog nasceu no dia da Santa e sempre cozinhou. E Marco Aurélio Trog “é o cara que smicia a polenta como eu nunca vi na vida, e olha que eu fui criada dentro da cozinha do Cascatinha, restaurante do meu nono Piero e do meu tio Neno”, comenta Mariane.

(Tradução 1: smicia é mexer com a mescola. Tradução 2: mescola é aquele fuê grandão da polenta. Tradução 3: fuê é… vocês sabem, né).

A comida

O Fellini tem dois cardápios. Um para o almoço durante a semana (esse eu nunca provei). O outro, para sábados e domingos. Minhas senhoras, meus senhores, e todo mundo: é para se esbaldar, pedir o quanto quiser – e, literalmente, lamber os dedos depois de comer a polenta frita e o frango à passarinho com folhas de sálvia fritinhas junto.

(Ainda tem: salada de escarola com bacon e vinagre de vinho caseiro, caldo de frango com arroz, macarrão com molho pesto, lasanha de queijo e presunto, lasanha de abobrinha com queijo da Serra da Canastra e uma sobremesa).

Crédito da foto: divulgação

Ambos os cardápios são de autoria do casal; Mariane só mudou pouquinhas coisas, “mas sempre em consenso, porque a dona Felicitá e o seu Claudinei têm uma vontade infinita e incansável de aprender, uma coisa linda de se ver: a humildade de quem não parou no tempo”.

Esses tempos, um senhor achou caríssimo o italianinho. “39 reais? Muito caro, paguei porque já estava aqui mesmo”. Um menu degustação de 9 opções para comer à vontade: Oi?!

Mas têm os reclamões e tem – ainda bem – a freguesia fiel, que curte tudo e elogia. “E dá conselhos bacanas, e a conversa vai longe, gerando mais e melhores ideias. Mas não se engane! A gente vai sim lembrar, 6 horas depois, da água com limão espremido e gelo da mesa 4 que se perdeu na linha do Equador, porque realmente tava apurado aquela hora”, ri Mariane.

Risada na cozinha

De resto… é carinho, risada e causo na cozinha. “Desde 7 da manhã, quando estamos só nós quatro. E assim a comida tem esse tempero de boas energias que aparece na mordida da primeira polenta. Todo mundo aqui cozinha.”

Os temperos base e molhos clássicos são do pai, assim como a manipulação de toda proteína. A mãe faz os risotos (o caldinho de frango inigualável) e os pestos invejáveis. A filha faz as sobremesas, molhos “mais metidinhos”, algumas receitas novas e o ajuste final dos temperos. E Marco, como vocês já sabem, é quem cozinha a polenta.

“Se tem alguma receita secreta? O segredo do Fellini é resistência. Mas esse é o segredo de todo pequeno negócio familiar. Persistir com ternura e muita paciência. E todo dia tem algo fresco, novo e onírico: uma gravação de receita pra um canal de vídeos, um projeto de cooperativa com produtores locais que vão poder, finalmente, mostrar o seu produto aqui no Fellini ao menor custo possível, ou simplesmente uma pimenta que o pai está testando”, finaliza Mariane.

Ah – ela também é responsável pela decoração com folhas e plantas, que cata “por ali mesmo”, e pelos encontros culturais, toda segunda-feira à noite (ver no Facebook do Fellini).

“Daqui a vinte anos eu quero estar fazendo o que eu aprendi aqui mesmo na beira do Rio Uvu, onde eu nasci e fui criada: servir as pessoas e não ter nada além do meu nome; quando as ninfas do Ulisses já não te seduzem mais, porque a nossa cozinha, entre panelas e muita música, tem um universo inteiro, é porque você achou teu lugar no mundo, qualquer que seja ele.”

Para ir além

Restaurante Fellini – Avenida Manoel Ribas, 4.227. Tel (41) 3026 7300. De segunda a sexta-feira, aberto das 11h30 às 15h; sábado e domingo, das 11h30 às 16h. Abre para jantares em datas especiais. E às segundas-feiras para Fellinianos Encontros (reuniões sobre arte e cultura).

 

Leia mais artigos de Bia Moraes

Últimas Notícias