Racismo – ontem, hoje e sempre? | Plural
escola-publica-de-qualidade
24 jun 2020 - 18h49

Racismo – ontem, hoje e sempre?

Durante a Guerra Civil, o presidente Lincoln planejou e propôs a deportação dos escravos libertos para a colonização da Amazônia, Brazil

Não há mal que sempre dure – rezava o velho ditado popular. Será? A morte de George Pery Floyd Júnior, assassinado em Minneapolis, Minnesota, no dia 25 de maio, pelo policial Derek Chauvin, gerou protestos nos EUA e em outros países.

E há outro episódio marcante, ocorrido em novembro de 2014, desta vez em Ferguson, Missouri: a morte de um jovem negro, Michael Brow, 18 anos, baleado por um policial branco. Michael tinha concluído o ensino médio e iria iniciar as aulas na universidade. Ele iria visitar sua avó quando foi abordado pelo policial por estar caminhando pelo asfalto – e não na calçada.

Deportação como filantropia

Em 1862, em plena Guerra Civil Americana (que durou de abril de 1861 a junho de 1865), o então presidente Abraham Lincoln (um republicano declaradamente favorável à libertação dos escravos no sul) propôs a deportação de african descendent para a Amazônia, Brazil. Cerca de 4 milhões de pessoas. E o Congresso chegou a aprovar uma verba para o projeto filantrópico. Mas o Brasil responderia com um enfático não.

O episódio mereceu registro na edição 156, fevereiro de 2009, da revista Pesquisa Fapesp, texto de Carlos Haag. Os documentos foram levantados pela historiadora Maria Clara Sales Carneiro Sampaio. Em Yale, teve acesso aos mais de dois mil documentos da coleção James Watson Webb Papers, dos anos 1862 e 1863.

“Em meio a uma custosa, em vidas e dinheiro, Guerra Civil, a União estava desesperada por fundos a fim de sufocar a rebelião dos estados confederados.” O presidente Abraham Lincoln, em seu discurso anual, o State of the Union, “ousou pedir ao Congresso a liberação de US$ 600 mil para outro fim que não o conflito”.

“Os congressistas precisam liberar o dinheiro necessário para a deportação de pessoas negras livres para qualquer lugar fora dos Estados Unidos”, afirmou.

Ressalta Carlos Haag: “Não foi a primeira ou a única vez que o governante, um ano antes da proclamação da emancipação dos escravos, falou oficial e publicamente sobre seu interesse em deportar negros. Foram cinco declarações políticas, incluindo-se dois State of the Union e o discurso que precedeu a emancipação”.

– O local onde penso ter uma colônia é na América Central. É mais próxima de nós que a Libéria (território no continente africano, dominado pelos EUA, para onde foram enviados libertos). A terra é excelente para qualquer povo, especialmente a semelhança climática com sua terra natal, sendo, portanto, adequada às suas condições físicas.

Liberdade é coisa perigosa

Lincoln nomeou como representante extraordinário e ministro plenipotenciário James Watson Webb, “um antiabolicionista que via a libertação de escravos como potencialmente mais perigosa do que a escravidão em si”.

– Não é apenas do interesse dos Estados Unidos e absolutamente necessário para sua tranquilidade interna que se livre da instituição da escravidão, mas também, em consequência do preconceito de nosso povo contra a raça negra, se torna indispensável que o negro liberto seja exportado para fora de nossas fronteiras, pois conosco ele jamais poderá gozar de igualdade social ou política, afirmou Webb em carta ao secretário de Estado William Henry Seward.

Mais: “Libertar os negros do Sul e deixá-los onde se encontram será o início de um conflito que só poderá terminar com o extermínio de uma ou da outra raça. A raça negra é caracterizada por uma ignorância degradante e inferioridade mental, enquanto os escravocratas são honrados, patriotas e de mente elevada”.

A singular proposta binacional

Maio de 1862. O plano americano foi submetido ao governo brasileiro: constituir uma empresa binacional de colonização da Amazônia com negros americanos livres ou em que seriam libertados ao longo da Guerra Civil.

Qual a reação do Brasil? Com a palavra Dom Pedro II.

“O (marquês de) Abrantes apresentou três propostas do ministro americano, cujo fim é transvasar para o vale do Amazonas principalmente os negros que se libertassem nos Estados Unidos. O Abrantes ficou de tirar cópias de tão singulares propostas e de responder como convém ao Webb”, anotou dom Pedro II em seu diário, em junho daquele ano, já ciente do projeto de “deportação”.

Imigrantes brancos e europeus

Depois de marchas e contramarchas, o Brasil disse não ao projeto. “A elite política brasileira já estava focada na atração de imigrantes brancos europeus para o Brasil.”

“Enquanto o americano, nos EUA, propagandeava as vantagens de se ocupar o vale amazônico e as riquezas que seriam geradas pela livre navegação do rio, o Brasil começou a fazer esforços diplomáticos e políticos brutais para segurar o avanço norte-americano sobre a soberania do Império”, assinalou Maria Helena Machado, professora da USP. “Logo, não deveria ter causado surpresa a Webb a negativa do governo brasileiro.”

 A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar.

Martin Luther King.
Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias