24 jul 2019 - 21h39

Muito mais do que um livro

Francisco Camargo fala de documentação reunida sobre os presos políticos

A música Que País é esse?, lançada em 1987 no álbum Que país é este, da banda Legião Urbana, nunca esteve tão atual. A canção, escrita por Renato Russo em 1978, durante a ditadura civil-militar, fala sobre as contradições sociais do Brasil. É o que ainda se constata no momento presente. Basta ver o livro Arquivo Público do Paraná: Espaço Nobre da Cidadania.

Com texto do jornalista Maurício Cavalcanti de Lima e de Adolpho Mariano da Costa, reúne fotos de Joel Schmidt e José Joel Cerizza, mais ilustrações de Cláudio Seto. 122 páginas. Uma edição do Arquivo Público do Paraná – Curitiba – 1991. Foi no primeiro mandato de Roberto Requião como governador.

Aos presos políticos

Na capa, uma colagem de cartões de Natal remetidos aos presos políticos paranaenses Manoel Urquiza, Osires Boscardim Pinto e Flávio Ribeiro, apreendidos pela DOPS/PR – Delegacia de Ordem Política e Social.

Trecho da apresentação:

– 11.07.1991 – Nesta data, parte do passado negro de nossa história começou a ser resgatado, tendo o Paraná assumido o papel de paladino das liberdades públicas. Numa atitude corajosa a ser seguida por outros Estados, o governador Roberto Requião assinou o decreto nº 577, transferindo para o Departamento Estadual de Arquivo Público os arquivos da extinta Delegacia de Ordem Política e Social, Dops, com um acervo de 62.500 fichas.

Um documento incrível. Que talvez possa ser encontrado em algum sebo ou estante virtual.

Últimas Notícias

Ministério da Saúde descartou relação entre vacina e morte de adolescente em João Pessoa

São enganosas as publicações em site e nas redes sociais que procuram vincular a morte de um adolescente de 15 anos, na Paraíba, à aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19. As postagens compartilham reportagem antiga de um programa de TV da Paraíba, em que a família do jovem relata a morte dias após a primeira dose do imunizante. Autoridades de saúde investigaram o caso e constataram que o menino tinha uma doença cardiológica congênita. A relação de causalidade entre a vacina e a morte foi descartada

Projeto Comprova