19 nov 2021 - 8h15

Da República de Curitiba ao caos bem previsível

Uma historiadora e doutora em ciências sociais não deixa por menos: o legado da Lava Jato é “o total desencantamento com a política que deixou a porta aberta para o fascismo”

Algo arrasador, ou arrazador, como escreveria um ex-ministro da Educação do (des)governo bolsonarista, é o assunto de capa da revista Carta Capital desta semana, com fotos, é claro, de Sergio Moro e Deltan Dallagnol, que, “depois de corromper o sistema de justiça e semear o bolsonarismo, retornam à disputa eleitoral, agora sem disfarce”.  

O título: – O crime compensa. O partido da Lava Jato agora é oficial 

A matéria, assinada por Maurício Thuswohl e Rodrigo Martins, destaca, é claro, o papel da (então) badalada República de Curitiba – com direito a painéis de grande porte, fotos da equipe e a velha bravata “Aqui a lei se cumpre”. E ressalta que “setores da mídia parecem dispostos a voltar a inflar o balão de Moro – e Bolsonaro é o que mais tem a perder com a entrada do ex-juiz”. Outra matéria, de Aldo Fornazieri, com o título O método Moro, mostra que ele quer se livrar do intermediário, posto que, “ao contrário de Bolsonaro, o ex-ministro é sistemático, calculista e persecutório”, mas destaca que, “nas deficiências intelectuais, os dois são muito parecidos”.  

A democracia privatizada  

E temos, páginas adiante, a coluna de Esther Solano, com o título Ele não, “posto que Moro e a Lava Jato acabam com a política, a democracia e a Justiça”. Esther Solano é doutora em ciências sociais pela Universidade Complutense de Madri e professora de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).  

– O Lavajatismo transformou a justiça num linchamento moralista, teatral, messiânico, hiperpunitivo, antipolítico. Transformou o mundo das togas numa militância medíocre, megalomaníaca e destrutiva. A Lava Jato representou a criminalização da política, do Estado, do público, representou o argumento perverso da privatização da democracia, da substituição do público por um sistema privado que seria menos corrupto e mais eficaz.  A Lava Jato teve como legado o total desencantamento com a política que deixou a porta aberta para o fascismo. Como sempre repito, a Lava Jato pode estar acabada, mas o Lavajatismo e sua potência simbólica continuam muito vivos. Triste Brasil se esta for sua terceira via. Da minha parte, lutarei com todas minhas forças contra o nome de Moro como candidato. É inadmissível.  

PS: de fato, é o fim da picada, ou seja, o fim de um caminho – mas, com o passar do tempo, a expressão virou sinônimo de absurdo.  

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Um comentário sobre “Da República de Curitiba ao caos bem previsível

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova