14 ago 2021 - 8h15

Home office para sempre?

A falta de horário fixo, tende a pesar. Pode haver sobrecarga de trabalho, isolamento social, e desrespeito ao direito à desconexão. Isso cobra seu preço

Depois da pandemia, será que ninguém mais retornará aos escritórios? Os computadores, cadeiras, mesas, impressoras ficaram empoeirados? Esquecidos ao relento?

Nos anos 90, com a chegada da internet, os gurus da tecnologia profetizavam que o home office se tornaria o padrão de trabalho universal. Não foi bem assim, se olharmos os dados percebemos que em 2019, dos 92,5 milhões de brasileiros que trabalhavam, 4,5 milhões (4,8%) o faziam em casa.

Mas agora isso tudo mudou. A pandemia de Covid-19 acelerou muitas transições tecnológicas, uma delas foi o aumento de home office, em virtude da necessidade de distanciamento social. E agora, home office pra sempre? Daria certo?

Depende, sempre que alguma empresa faz uma consultoria perguntando se pode transferir todos seus funcionários para o home office, essa é a resposta que costumam ouvir de nós. O assunto não é tão simples quanto parece. O fato é que o home office não é pra todos.

Seguem dois exemplos: Uma agência da China fez um experimento, em 2013, colocando parte de seus funcionários trabalhando em casa. E concluiu que a produtividade deles aumentou 13%. Mas, um estudo do cientista social Ben Waber, cofundador da consultoria de RH Humanyze, mostrou que, num grupo de engenheiros, aqueles trabalhando no escritório mandavam quatro vezes mais e-mails. Neste caso, concluíram que a produtividade de quem estava home office era um terço menor.

Ainda, Marissa Mayer, a então CEO do Yahoo, constatou que o home office atrapalhava o entrosamento da equipe. Segundo ela, a comunicação humana tem nuances que são perdidas sem o contato próximo. Por conta disso, percebe-se que não é uma decisão fácil decidir colocar todos em home office. Será necessário analisar cada caso, e monitorar os resultados. A falta de horário fixo, tende a pesar. Pode haver sobrecarga de trabalho, isolamento social, e desrespeito ao direito à desconexão. Isso cobra seu preço.

O home office veio pra ficar, mas seu misto de benesses e pioras deve sempre ser ponderado.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias