Garantia? Que seja eterna enquanto dure… - Jornal Plural
26 jul 2021 - 8h15

Garantia? Que seja eterna enquanto dure…

O consumidor tem direito à garantia, e o fornecedor tem o dever de providenciar a solução para vícios aparentes ou ocultos, todavia a manutenção e boa conservação dos produtos adquiridos é de responsabilidade do consumidor

Pedro constrói casas bonitas, grandes, espaçosas e destinadas a um público bem exigente.

Ele tem muito orgulho do serviço que presta, pois prioriza a qualidade no seu trabalho. Visita cada obra, e está sempre preocupado em atender às exigências de seus clientes.

Porém, nem tudo são flores, e mesmo empresários como o Pedro, cuidadosos e diligentes, deparam-se com a insatisfação do consumidor.

A dor de cabeça de Pedro começou com um cliente que via problemas na casa de seus sonhos, mesmo depois de muito tempo da entrega das chaves.

Os anos passaram, e Pedro viu-se fazendo a manutenção da casa, pois o consumidor sempre alegava que se tratava de garantia, portanto, responsabilidade da construtora.

Assim como Pedro, independentemente da área em que a sua empresa atua, seja em lojas de roupas, ou restaurantes, eu sei que você tem o interesse em manter uma boa relação com seus clientes, e deseja cumprir suas obrigações legais.

Porém, resta a seguinte dúvida:

E aí, será que a garantia se estende por prazo indeterminado?

A resposta é não!

O consumidor tem direito à garantia, e o fornecedor tem o dever de providenciar a solução para vícios aparentes ou ocultos, todavia a manutenção e boa conservação dos produtos adquiridos é de responsabilidade do consumidor.

E isso não se aplica somente às relações entre construtora e cliente, mas também às outras relações entre empresa e consumidor final!

Ao desenvolver uma atividade comercial, é importante ter em mente que não é só o consumidor que tem direitos, a empresa que fornece produtos ou serviços também tem.

A sua empresa pode – e deve – priorizar o bom relacionamento com o seu consumidor, e somente ao conhecer seus direitos e deveres você poderá tomar as melhores decisões para proteger esse relacionamento e minimizar os riscos de sua atividade.

Assim, caso você, leitor, encontre-se em uma situação como essa em sua empresa, lembre-se que a garantia não é eterna, e que o consumidor também tem deveres nas relações de consumo.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

2 comentários sobre “Garantia? Que seja eterna enquanto dure…

  1. Perfeito. Qual o documento que preciso manter para solicitar essa garantia do serviço ou dos produtos executados? Tanto consumidor como empresa.

    1. Marilda, a resposta da colunista: “A nota fiscal ou o contrato são excelentes formas de demonstrar a existência dessa relação de consumo, e ajudar ao consumidor e empresa a garantirem seus direitos.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias