O estigma do tarja preta | Jornal Plural
21 set 2020 - 10h15

O estigma do tarja preta

Medicamentos tarja preta também salvam vidas. Sua opinião infundada não

Alguém que convive com transtorno mental é constantemente advertido sobre o uso de medicamentos, principalmente sobre os medicamentos tarja preta. Obviamente esses alertas partem de pessoas leigas e, quase sempre, não são solicitados. “Você vai ficar viciada” foi a frase que eu mais ouvi na minha jornada contra a depressão.

Bem, um medicamento psiquiátrico – seja qual for a cor da tarja – não se compra sem retenção da receita médica. Se o médico prescreveu a medicação, certamente é porque o paciente precisa dela. Muitas vezes é aquele medicamento que vai permitir que a pessoa consiga levantar da cama, ter um dia produtivo e, inclusive, conseguir fazer outras coisas que são importantíssimas no tratamento: ir para a terapia, praticar exercício, conversar com sua rede de apoio. 

E só a própria pessoa e o seu médico vão poder avaliar se o remédio está funcionando e por quanto tempo ele deve ser usado.

Se você não tem nenhum transtorno mental e não precisa tomar medicamentos controlados, por favor não tome. Mas, por gentileza, não queira saber mais do que o profissional da medicina. Não coloque quem está em sofrimento em situações vergonhosas com afirmações sem sentido. Medicamentos tarja preta também salvam vidas. Sua opinião infundada não.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Assuntos:

Últimas Notícias