Sete paranaenses estão na disputa por um Jabuti | Jornal Plural
23 out 2020 - 22h41

Sete paranaenses estão na disputa por um Jabuti

Confira ainda o Festival Tenho Mais Discos que Amigos

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou no último dia 22 de outubro os dez finalistas de cada categoria do Prêmio Jabuti 2020. Sete paranaenses estão entre eles, alguns já bem conhecidos, como a poeta e ficcionista, Luci Collin (foto). Confira todos os indicados na coluna do Curitiba de Graça para o Plural.

Veja ainda o Festival “Tenho Mais Discos que Amigos”, que ocorre neste sábado, e que traz músicos importantes do cenário curitibano, como a banda Tuyo e o Colligere.

Boa leitura!

Pelé: A Origem

Crédito da foto: divulgação.

No dia 23 de outubro, o atleta do século, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, completou 80 anos. O VIX Cine e TV disponibilizou o documentário Pelé, a Origem (https://www.vix.com/tv/watch/movies/pele-origem_pt/1/1) sobre a vida do atleta, exemplo em campo e controverso fora dele.  Com apenas 43 minutos de duração, o documentário conta a história do garoto Edson, de uma pequena cidade brasileira, que decide superar todos os limites impostos pelo racismo para se tornar o primeiro negro a ser ícone global, conhecido e amado no mundo. O documentário, do ano passado, tem a direção de Luiz Moura.

O beijo no palco

Os ensaios espetáculo ocorrerão virtualmente. Crédito da foto: divulgação.

O beijo como a narrativa principal. De forma poética, por meio de metáforas, “A Minha Nossa Cia de Teatro” estreia o espetáculo Beijo em Grupo, que leva ao palco seis pequenas histórias inspiradas nas experiências de vida dos artistas. A peça será transmitida gratuitamente amanhã (sábado, 24/10), a partir das 20h, ao vivo, pelo: https://www.youtube.com/user/Eduolga . O espetáculo faz parte da 3.ª Mostra MOVE de Teatro, que segue até o dia 21 de novembro.

Festival Tenho Mais Discos Que Amigos!

A Colligere se tornou ícone do hardcore nacional na década de 2000. Crédito da foto: divulgação.

Acontece neste sábado (24/10), o “Festival Tenho Mais Discos Que Amigos”, que reunirá mais de 20 atrações nacionais e internacionais. A transmissão, que é gratuita, será a partir das 15h, pelo YouTube do portal TMDQA: https://www.youtube.com/watch?v=pySrtuH92ug.

Duas bandas curitibanas participam do festival: a Colligere, com seu hardcore, e o trio Tuyo, que mistura folk, soul e elementos eletrônicos.

Na programação nacional, o festival ainda terá Titãs, a cantora Ekena, considerada uma das promissoras vozes da música brasileira, E a Terra Nunca Me Pareceu Distante, a irreverente Potyguara Bardo, entre outros. Já as atrações internacionais incluem os americanos Black Pumas, dupla de soul, blues e rock, The Get up Kids e Taking Back Sunday.

O público ainda poderá fazer doações durante o festival. Tudo o que for arrecadado será destinado à Casa Florescer, centro de acolhimento especial para mulheres transexuais e travestis em situação de vulnerabilidade social, e ao Território da Solidariedade, campanha de ajuda solidária paulista que está ajudando famílias em vulnerabilidade social que foram impactadas pela pandemia da Covid-19.

As doações, a partir de R$ 10, poderão ser feitas por meio de QR Code que será disponibilizado durante as apresentações ou neste link: https://pixelticket.com.br/eventos/5958/Festival-TMDQA!-Powerline.

Para saber mais, acesse a reportagem de Camile Triska: https://curitibadegraca.com.br/bandas-curitibanas-se-apresentam-no-festival-tenho-mais-discos-que-amigos/

Brasis no Paiol

A carioca, radicada no Paraná, Rubia Divino é uma das artistas que se apresentam na edição de outubro. Crédito da foto: divulgação.

Neste sábado e domingo termina o “Brasis no Paiol em Casa”. A transmissão é pelo YouTube do projeto: https://www.youtube.com/channel/UCXiEmQyvxNFxlrm9Okv4tPg

Confira a programação:

24 de outubro
18h – Rubia Divino (PR)
18h30 – Trio Armorial (PR)
19h – Kiko Dinucci (SP)
19h30 – Bruna Lucchesi (PR)
20h – Hillbilly Rawhide (PR)

25 de outubro
18h – Mel Duarte (SP)
18h30 – Wes Ventura (PR)
19h – Monna Brutal (SP)
19h30 – Louie R. (PR)
20h – Tapuia Trio (PR)

Drive-ins

Minha Mãe É Uma Peça 3 é uma das atrações. Crédito da foto: divulgação.

Neste fim de semana, acontece o lançamento de Como Cães e Gatos 3: Peludos Unidos!, novo longa-metragem da franquia da Warner Bros, que estreia em cinemas de todo o Brasil. Em Curitiba e região, o filme estará em cartaz no Planeta Drive-In, na Pedreira Paulo Leminski, e no Autocine Show, em Colombo. No sábado (24/10), na Pedreira Paulo Leminski, ainda acontece um show com todos os integrantes do programa “O Boa”, da rádio Jovem Pan, que sobem ao palco para apresentar o show de comédia Proibidão do Boa.

O drive-in ainda está com a pré-venda para a estreia de Tenet, novo filme de Christopher Nolan, que chega às telonas na próxima semana. As sessões acontecem a partir de 30 de outubro, com preços a partir de R$ 80 por carro.

Já Autocine Show ainda terá exibição de Minha Mãe É Uma Peça 3 no sábado (24/10). No domingo (25/10), acontece uma festa para os amantes de carros, a Down Culture Day, com exposição de carros modificados e antigos, som ambiente com DJ e outras atrações especiais.

Confira a programação completa: https://curitibadegraca.com.br/como-caes-e-gatos-3-peludos-unidos-estreia-nos-drive-ins-de-curitiba-e-colombo/

Mês da Consciência Negra

Foto6/

Praça Zumbi dos Palmares será palco do início das comemorações da data. Crédito da foto: prefeitura de Curitiba/arquivo.

“Orgulho Negro” é o tema do encontro que ocorre no dia 1.º de novembro, às 14h, na Praça Zumbi dos Palmares, no Pinheirinho, evento que abre as comemorações populares do Mês da Consciência Negra, em Curitiba. Haverá palestras com o advogado Renato Freitas e a historiadora Carol Dartora.

Jabuti de literatura

Crédito da foto: divulgação.

Na última quinta-feira (22/10), foi divulgada a primeira lista de finalistas do Prêmio Jabuti 2020, promovido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). Nesta edição, são 200 finalistas, 117 selos editoriais diferentes e ainda dez autores independentes. Sete paranaenses, incluindo aqueles que moram aqui, estão entre os selecionados.

Confira:

Literatura/Conto – Lucas Lazzaretti: O poeta, romancista, tradutor e filósofo de Pato Branco concorre com o seu livro Placenta: Estudos (Editora 7letras)

Literatura/Poesia – Luci Collin: Ficcionista, poeta, tradutora e educadora curitibana volta à lista de finalistas do prêmio, desta vez com o livro Rosa que Está (Iluminuras). Em 2017, ela ficou em segundo lugar na mesma categoria, com a obra A Palavra Algo (Iluminuras).

Literatura/Crônica – Andressa Barichello: a paulista, que foi criada em Curitiba, é finalista com o seu segundo livro Ter a Escrita” (Patuá).

Ensaios/ Artes – Orlando Azevedo: o fotógrafo português, que vive em Curitiba desde a década de 1960, está concorrendo com o seu livro de fotografias Mestiço – Retrato do Brasil (Voar), que teve lançamento no Museu Oscar Niemeyer no ano passado – inclusive, nove obras suas integram o acervo do espaço cultural.

Ensaios/Biografia, Documentário e Reportagem – Laurentino Gomes: o escritor maringaense que já coleciona três Prêmios Jabuti volta aos finalistas deste ano com seu último lançamento Escravidão: Do Primeiro Leilão de Cativos em Portugal até a Morte de Zumbi dos Palmares: Volume 1 (Globo Livros).

Livro/Ilustração: Willian Santiago: o designer gráfico de Cornélio Procópio, radicado em Londrina, concorre por suas ilustrações no livro Cumarim, a Pimenta do Reino” (FTD Educação).

Inovação/Fomento à Leitura: Noemia Ishikawa: a pesquisadora londrinense, que atualmente vive em Manaus, é finalista com o seu projeto Aldevan Baniwa: Semeando Histórias Indígenas da Amazônia, que busca valorizar e fortalecer as línguas indígenas.

No dia 5 de novembro, será divulgada a segunda lista com os últimos cinco finalistas por categoria. Para saber mais, acesse: https://www.premiojabuti.com.br/finalistas/

Confira a reportagem completa de Camile Triska: https://curitibadegraca.com.br/paranaenses-estao-entre-os-finalistas-do-premio-jabuti-2020/

Preservação do patrimônio

Projeto reuniu histórias, memórias e objetos ligados aos povos, comunidades tradicionais rurais que ocupam regiões de matas de araucária. Crédito da imagem: reprodução/Site: Histórias de Faxinais.

Um projeto desenvolvido pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade Federal do Paraná (MAE-UFPR) está entre os finalistas da 33.ª edição do Prêmio Nacional Rodrigo Melo de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para reconhecer projetos de todo o país que se destacam entre as ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro.

Denominado “Histórias de Faxinais”, o projeto do MAE-UFPR tem o objetivo de pesquisar, reunir, sistematizar e divulgar histórias, memórias e objetos ligados aos povos de faxinais através do ponto de vista, principalmente, de crianças e jovens do Colégio Estadual do Campo Professor Izaltino Bastos, uma escola da região de Pinhão, no Paraná. Suas histórias foram reunidas em um livro de contos, exposições e em uma websérie. Todo o material produzido pelo projeto está disponível no site mae.ufpr.br/historiasdefaxinais.

Efigênia Rolim no MON

A artista é conhecida como a “rainha do papel de bala”. Crédito da foto: divulgação.

A artista paranaense Efigênia Rolim será o tema de uma oficina artística de confecção de bonecos com material reciclado promovida pelo Museu Oscar Niemeyer, que será disponibilizada na próxima quarta (28/10) nas redes sociais do museu. Conhecida como “rainha do papel de bala”, a artista também é poeta e contadora de histórias. A inspiração para suas obras parte do material reciclado: são bonecos, brinquedos, instrumentos musicais e peças de vestuário.

Mesmo com o museu reaberto, algumas atividades continuam acontecendo apenas de forma virtual e são disponibilizadas nas redes sociais do MON, como no:  Facebook https://www.facebook.com/museuoscarniemeyer  e no hotsite: museuoscarniemeyer.org.br/mon/monemcasa.

Para conhecer mais a artista, acesse reportagem especial de Irma Bicalho: https://curitibadegraca.com.br/gente-leite-quente-a-rainha-da-reciclagem/

“Violência contra as mulheres. Basta!”

A professora Luciana Panke é uma das entrevistadas. Crédito da foto: arquivo pessoal.

Segundo o Fórum de Segurança Pública (FBSP), no Brasil, a cada hora, quatro garotas de 4 a 13 anos são estupradas e 73% dos estupros ocorrem dentro da casa da vítima, conforme dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (confira mais informações no artigo da jornalista Sandra Nodari ).

Estupro é uma das inúmeras formas de violência contra a mulher. De acordo com o FBSP, nos primeiros meses da pandemia, em que as famílias ficaram mais dentro de casa, os casos de feminicídio cresceram. De março a abril foi registrado aumento de 22,2% em relação ao mesmo período do ano passado em doze estados brasileiros. No Paraná, por exemplo, de acordo com o Ministério Público (MPPR), o número aumentou em 17,5%.

Para discutir o tema, com o título “Violência contra as mulheres: basta!”, o Movimento Gota D’Água Ação e Resistência entrevista na próxima quinta-feira (29/10), às 20h, a ex-secretária Nacional do Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República Aparecida Gonçalves e a jornalista, escritora e professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Luciana Panke.


Para outras dicas de cultura e entretenimento, acesse: www.curitibadegraca.com.br

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias