O velho como alvo da falta de senso e de medida | Jornal Plural
1 set 2020 - 16h20

O velho como alvo da falta de senso e de medida

Ora, aos 60, você tem energia, saúde e agilidade suficientes para tocar a vida como praticamente como fazia aos 40 e 50. E, por isso, certas atitudes incomodam, irritam e botam o sessentão pra baixo

Há poucas semanas, minha amiga Martha Feldens abordou neste espaço o que chamou de um assunto indigesto: como as pessoas que se aproximam ou chegam às seis décadas de vida viram alvo preferencial de golpistas. Pois bem, também vou tratar de um assunto indigesto: como as pessoas de 60 ou mais viram alvo de comportamentos equivocados, incômodos e não raras vezes ofensivos, embora, na maioria das vezes, bem-intencionados.

Trata-se não de políticas públicas ou sistemas de proteção ao idoso, mas, exclusivamente, do comportamento social, do entendimento e da percepção que as pessoas têm da velhice. E de como gentileza, proteção e cuidado, quando excedem a medida do bom senso, podem, ao invés de acolhimento, causar desconforto e sofrimento.

Ora, aos 60, você tem energia, saúde e agilidade suficientes para tocar a vida como praticamente como fazia aos 40 e 50. E, por isso, certas atitudes incomodam, irritam e botam o sessentão pra baixo: a presteza em ceder lugar no ônibus, empurrar para o caixa preferencial, priorizar seu pedido no restaurante. Coisas pequenas, cotidianas, chatas.

E pode crer que a coisa só piora aos 70, 80 ou mais. É só prestar atenção. Trololó, papo-furado, palavras e gestos impensados com poder de fogo sobre a autoestima, a autoconfiança e a dignidade do idoso.

Já vi muito. Na fila da farmácia, a ex-aluna se dirige ao antigo professor da faculdade com voz infantilizada, olhar lacrimejante. Cena de um desconforto acachapante. Na lotérica, a octogenária aguarda o atendimento, com cartão do banco e documentos em mãos. Tem autonomia, vai pagar contas. Sem cerimônia, uma desconhecida a abraça, alisa suas faces. Repete: é muito fofa! Desconforto geral. Família no restaurante em confraternização. O garçom se dirige à matrona, todo sorriso: essa mocinha linda vai querer o que?

Na missa, a idosa oferece a vez, o lugar à sua frente na fila da comunhão. Em vão, recebe apenas negativas amáveis. Velho não pode mais praticar a gentileza, está condenado a só receber.

Foi marcante um episódio em que, de certa forma, estive envolvida. Junto com duas vizinhas, aguardava que o morador mais velho do condomínio, querido e popular, nos abrisse a porta do elevador. Ia devagar, ao ritmo dos 90 anos. Mas não deu certo. Chegou um quarentão esbaforido, olhou-nos com reprovação, afastou o idoso, abriu a porta, botou todo mundo para dentro e ainda apertou os botões de cada andar. A gentileza foi vedada ao velho vizinho. Não há crime e nem contravenção nessas atitudes, apenas deseducação e insensibilidade, que sem dúvida diminuem, impactam na identidade e contribuem para o declínio da pessoa. A causa do idoso deveria arrebanhar engajamentos, muito especialmente do jovem. Para que ele tenha tempo de ajudar a construir para si uma velhice em ambiente de respeito genuíno e verdadeiramente afetuoso.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias