“Vou chamar o Greca para superintendente de recapeamento”, diz Requião | Jornal Plural
Clube Kotter
11 fev 2020 - 21h36

“Vou chamar o Greca para superintendente de recapeamento”, diz Requião

Ex-governador diz que vai para a disputa se insistirem e brinca com antigo slogan de campanha: “Me chama que eu vou”

Roberto Requião (MDB) é o candidato de Schröedinger nas eleições deste ano em Curitiba. Até abrir a convenção de seu partido, ele está e não está na disputa pela prefeitura.

Numa semana, Requião almoça com o diretor de um instituto de pesquisas e supostamente pede para que incluam seu nome na disputa. O gato está vivo.

Na outra, seu filho publica um artigo dizendo que Requião jamais se lançou candidato e que são outros que o fazem por ele. Nada de aventuras eleitorais. O gato está morto.

Por enquanto, ele se resume a dizer o que todo político diz: será candidato se pedirem. No vocabulário de outros, seria a tal voz das ruas. No caso de Requião, até ele diz meio sorridente: “Me chama que eu vou”.

Em entrevista ao Plural por telefone, o ex-governador dá sua versão para os fatos.

“O Murilo Hidalgo me chama para almoçar e diz que meu nome vai extraordinariamente bem nas pesquisas. E há uma pressão para que eu saia candidato”, diz ele. É só. Será?

A pressão, segundo ele, vem de movimentos sociais e de partidos de oposição a Rafael Greca (DEM).

Greca, aliás, que já foi seu candidato a prefeito em 2012. Requião diz que não se arrepende. “O homem é ele e as suas circunstâncias”, diz, atribuindo a frase (erradamente) a Camus.

“Se eu fosse prefeito, eu chamava o Greca para ser superintendente de recapeamento de asfalto. Mas tem que fazer na periferia também, não só no centro”, diz.

Segundo Requião, Greca faz “com menos brilho” o mesmo que seu eterno desafeto, Jaime Lerner, fez na prefeitura. “Ficam recapando as mesmas ruas do Batel e do Bigorrilho”, afirma, dizendo que está a caminho da academia de ginástica e que a rua por onde passa agora “estava boa, mas refizeram”.

“A resposta que você quer é a seguinte: eu tenho um dever com Curitiba, e quero que a cidade tenha um bom prefeito, que seja firme, que conheça a história. E tem essa pressão. Se insistirem, acho que eu não recusaria”, afirma.

E a saúde, permite? Afinal, na campanha de 2018, para o Senado, o próprio senador diz que mal conseguiu sair de casa. E um dia depois da derrota partia para uma cirurgia. “Isso está superado. Mas verdade, mal pude sair de casa.”

A derrota, no entanto, ele não atribui a isso. “Nem adiantava ter saído de casa. Quando vem uma onda dessas, ninguém segura.”

A prefeitura, por enquanto, continua sendo um mero tema de debate remoto. Uma especulação, que nem seria dele. De prático, mesmo, Requião diz que vai fazendo política pelo país e via redes sociais.

E, claro, aos 78 anos, vai cuidando da saúde. Por isso precisa desligar: chegou na academia.

Últimas Notícias