Ratinho tem 16 dias para decidir entre Greca e Leprevost | Jornal Plural
31 ago 2020 - 21h40

Ratinho tem 16 dias para decidir entre Greca e Leprevost

Governador terá a palavra final sobre a decisão do PSD, que pode resolver a eleição em Curitiba

O prefeito Rafael Greca (DEM) formalizou nesta segunda (31) sua candidatura à reeleição. Fez discurso, comemorou, mas ainda não tem a garantia daquilo que mais deseja: a confirmação de que Eduardo Pimentel (PSD) poderá ser novamente seu vice. A convenção do partido do vice-prefeito só acontece em dez dias – e neste momento parece ser o ponto mais importante para definir os rumos da eleição.

Na convenção do dia 10, o PSD, que vem se transformando no partido político mais importante do estado, desde a eleição de Ratinho Jr. para o governo, tem dois caminhos. Num deles, faz a vontade de Greca, emplaca o vice-prefeito na chapa e mata a candidatura própria. No outro, aposta pela segunda vez em Ney Leprevost (PSD), que chegou ao segundo turno justamente contra Greca em 2016, e parte para a briga.

Tudo depende de uma palavra do governador. Ratinho Jr., na absoluta ausência de concorrentes à altura, se tornou uma espécie de Grande Eleitor na disputa de 2020. Sua decisão terá a capacidade de garantir uma reeleição fácil para Greca ou de embolar o meio de campo, provavelmente levando tudo para um segundo turno. Nas duas opções, ele só tem a ganhar.

Quem acompanha o cenário político da capital acredita que a hipótese mais provável, hoje, é o apoio a Greca. Ratinho avalizou a ida de Pimentel para seu partido sabendo que ele pretendia permanecer na chapa de Greca. “Ele não faria isso para depois tirar o Eduardo da chapa”, diz um aliado próximo de Ratinho.

Jovem, herdeiro do ex-governador Paulo Pimentel e de fácil trato, Pimentel é visto como possível sucessor de Greca na prefeitura. Ao apoiar a atual chapa, Ratinho conseguiria um candidato forte para 2024 e garantiria o apoio de Greca para sua reeleição, daqui a dois anos. Greca já topou a ideia, e deseja fechar o acordo o quanto antes.

Por outro lado, Leprevost tem sido fiel a Ratinho, fez boa votação em 2016 e poderia ser um aliado importante nos próximos anos. Leprevost diz ter a palavra de Ratinho de que ele será o candidato. Também andou articulando com a cúpula do partido em Brasília. Mas não tem nada garantido.

A decisão, como sempre acontece nesse tipo de impasse, deve ser anunciada em cima da hora. Os partidos têm até o dia 16 de setembro para fechar as convenções. Isso significa que o segredo de Ratinho, no máximo, dura mais duas semanas. Depois, a campanha começa para valer.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias