19 abr 2021 - 20h14

Cunha diz ter recebido apoio secreto de Beto Richa

Em livro, ex-presidente da Câmara diz que paranaense arranjou quatro votos para sua eleição

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso depois de seu tumultuado mandato, que culminou no impeachment de Dilma Rousseff (PT), conta em seu novo livro, que acaba de ser publicado, que teve apoio oculto de Beto Richa (PSDB), à época governador do Paraná, para se eleger.

Em fevereiro de 2015, Cunha se elegeu numa disputa contra Arlindo Chinaglia (PT) e Júlio Delgado (PSB). Em público, o governador paranaense não tomou posição – faria sentido que ele apoiasse Delgado, uma vez que o PSB era próximo dele. Nos bastidores, porém, segundo Cunha, Beto tinha lado.

Segundo Cunha, a primeira viagem oficial dele em busca de votos foi ao Paraná, onde visitou Richa, que acabava de ser reeleito. “À noite tive um jantar reservado com ele, a partir do qual passou a me apoiar independentemente da posição do PSDB”, conta Cunha.

“Richa também começou a pedir votos para mim, tendo me dado quatro votos na eleição, do PSDB e do PSB, embora na imprensa declarasse que iria esperar o posicionamento do partido”, afirmou.

A bancada paranaense na Câmara na época tinha três tucanos (Rossoni, Hauly e Kaefer) e dois deputados do PSB: Ducci e Leopoldo Meyer. Se Cunha estiver certo, só um deles votou em Delgado.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Um comentário sobre “Cunha diz ter recebido apoio secreto de Beto Richa

  1. Quem será o pessebista que traiu o seu próprio partido e votou no Cunha? Deve ter sido alguém muito próximo do Beto né? Alguém em quem o Beto confiaria muito né?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Comparação entre aumento da gasolina e patrimônio da família Bolsonaro usa dados imprecisos

É enganosa a comparação feita em uma postagem com percentuais sobre reajuste da gasolina no Brasil e crescimento patrimonial da família Bolsonaro. O índice do aumento do combustível não se refere a um ano, como indicado. O valor de aumento de gasolina se refere a um período de três anos, enquanto a evolução de patrimônio ocorreu em período de 12 anos para Jair e Flávio e quatro anos para Eduardo

Projeto Comprova