Naquela Mesa de Jantar | Jornal Plural
12 nov 2019 - 23h02

Naquela Mesa de Jantar

Como assim você pode ajudar mas o governo não?

“Eu ajudo pessoas carentes. Esse ano entreguei 30 cestas de natal em uma comunidade.”

“Puxa, é mesmo?”

“Sabe, é tão gratificante poder ajudar! Eu não consigo ver essa gente sofrida que não tem nem o que comer. Sinto uma dor no coração.”

“Pois é, sei como é…”

“O mundo é tão injusto! E esse governo não faz nada…”

“Mas doar, assim como você fez, não é uma forma de distribuir renda, ao dividir um pouco do que você tem?”

“É, pensando bem, acho que sim.”

“E o que você acha do programa de distribuição de renda do governo?”

“Sou contra.”

“Mas ao distribuir renda o governo está fazendo o que você faz, só que de maneira mais ampla e sistematizada.”

“Não gosto desse negocio de distribuição de renda, sou a favor da meritocracia.”

“Então, pensando em meritocracia, o correto seria que essas pessoas que você ajuda comprassem suas próprias cestas de natal. Mérito próprio…”

“É, mas…”

“Mas o quê?”

“Eu acho que eu tenho o dever de ajudar.”

“E o governo não tem esse mesmo dever de ajudar?”

“Mas o governo é corrupto!”

“E só porque o governo é corrupto as pessoas não devem receber assistência?”

“De qualquer maneira, sou contra essa coisa de assistencialismo, acho que todo mundo tem que ir a luta.”

“Essas pessoas que você ajudou não trabalham?”

“Alguns sim, outros não.”

“Logo, os que trabalham vão à luta, quem não trabalha, teoricamente, não merece.”

“Acho que o problema é o desemprego…”

“Então não é culpa deles.”

“Pois é, por isso eu ajudo.”

“E se o governo ajudasse?”

“Sou contra.”

“E se outra pessoa ajudasse no seu lugar?”

“Eu prefiro fazer pessoalmente. Tenho que ver com meus próprios olhos.”

“Então você faz pra você, não pro outro.”

“Será que a gente pode mudar de assunto?”

…Outra pessoa entra na conversa….

“Por isso eu só ajudo pessoas debilitadas que não estão aptas a trabalhar. Esses sim merecem cuidado.”

“E o que você acha do sistema das cotas para deficientes nas empresas?”

“Sou contra.”

“Se você perceber, o objetivo do governo é incluir esses mais necessitados.”

“Acho que o empresário não pode pagar por isso.”

“Se não for numa empresa, onde é que eles vão trabalhar?”

“Olha, não sei.”

“Será que dá pra gente mudar de assunto?”

…E a festa seguiu entre vinhos e canapés.

Últimas Notícias